Por que marchar - CIDSE

Por que marcharmos

Uma reflexão de Josianne Gauthier, secretária-geral da CIDSE – Aliança Internacional de Organizações Católicas para o Desenvolvimento.

Ontem foi realizado o protesto anti-racismo em Bruxelas, organizado pela Black Lives Matter. Pelo menos 10,000 pessoas (um número muito alto para uma manifestação em um país pequeno como a Bélgica) apareceram com suas máscaras. Muitos dos ativistas eram jovens adultos, mas também havia muitos idosos e pessoas com crianças, de todas as origens, segurando seus cartazes e cantando pedidos de justiça e verdade. Em todo o mundo, esses protestos e marchas tiraram centenas de milhares de pessoas de suas casas na semana passada, desde que o mundo testemunhou o assassinato de um homem afro-americano inocente nas mídias sociais, nas mãos da polícia. Muitos se levantaram, prontos para lutar, prontos para a ação, prontos para uma revolução. Outros, como eu, se sentiram esmagados, desanimados, momentaneamente perdidos e afligidos por uma profunda tristeza física, espiritual e psicológica que era difícil de abalar.

Desde fevereiro, estamos sob o domínio da Pandemia global COVID-19, e a maior parte do planeta está em confinamento quase total. Observamos essa crise de saúde reverter as tabelas entre o Norte e o Sul por um breve momento, enquanto as nações mais ricas e suas economias poderosas estavam de joelhos. Finalmente começamos a entender coletivamente a relação entre nosso modo de vida consumista acelerado, nosso modelo econômico baseado na extração de recursos e na destruição de nosso planeta. Começamos a entender que nosso planeta estava chorando e que nossa Mãe Terra estava doente, então também ficamos doentes[1]. Começamos a conversar sobre transformação e mudança e não voltando ao "normal" depois que a crise passou e falamos em "apenas recuperação". Mas também começamos a ver o lado oculto da pandemia, como ela chegava injustamente às sociedades ricas e feria os pobres de muitas maneiras diferentes e brutais. Empregos com salários mais baixos foram perdidos sem segurança. Os riscos à saúde eram mais altos para as populações de imigrantes e minorias, e especialmente as mulheres entre eles, nos países mais ricos, devido ao trabalho de assistência e serviço essencial que estavam realizando. Já durante a pandemia, percebemos que havíamos esquecido de virar uma pedra: nosso modelo colonial.

Quando o vírus chegou ao continente americano, começamos a ver os números. Afro-americanos estavam sendo atingidos com mais força[2]. No Canadá e nos Estados Unidos, isso significava menos acesso a cuidados de saúde adequados, empregos de maior risco que eles não podiam deixar de trabalhar ou trabalhar em casa, muitos trabalhando nas zonas infectadas (hospitais, residências para idosos)[3]. E o vírus se espalhou para a América do Sul e vimos o impacto nas populações indígenas da Amazônia. Alguns estão falando de um genocídio como as comunidades indígenas, as mesmas que lutam contra nosso modelo extrativista e defendem os rios e as florestas contra os abusos corporativos, estão sendo infectadas três vezes mais rápido que outras comunidades e recebem pouco ou nenhum cuidado.[4].

Como podemos não ver a relação entre nosso modo de vida, nosso modo de tratar um ao outro, a violência de nosso consumo e nossa herança colonial? Essa herança está sempre presente em nossos sistemas políticos, em nossos acordos comerciais internacionais, em nosso sistema educacional, na maneira como nossa mídia se comunica, em nossas cadeias alimentares globais e até em nossos sistemas policiais.

E após esses meses de expor todo o fracasso sistêmico de nosso modo de vida, o modelo colonial nos mostrou seu âmago, que se baseia no princípio de que alguns podem pegar e usar e jogar fora às custas de outros, de suas vidas, sua dignidade e suas esperanças. Entendo que a grande tristeza que senti e que me atrasou foi a tremenda tristeza de milhões de gritos de pessoas em todo o planeta de uma só vez, pedindo aos que se beneficiaram com isso que parassem. Pare de aceitar que o mundo é como é. Pare de aceitar os benefícios da injustiça. Recusar. Despertar. Ouço. Pare de falar. Pare de tomar. Pare. E então podemos lentamente começar a viver novamente e transformar este mundo, nossos relacionamentos e criar juntos. Somos chamados a uma grande conversão, como o Papa Francisco nos lembra, e começa com a escuta, desaprendendo e aprendendo de novo.[5].

As mobilizações e protestos em todo o mundo, como vimos no ano passado em torno da crise climática, e agora, quando enfrentamos nossos demônios do racismo e do colonialismo, nos dão energia e esperamos novamente que a mudança não seja apenas possível ... ”ela está chegando[6]”. Mas, como os manifestantes nos lembram, não há paz sem justiça, e não pode haver justiça sem verdade.

Josianne Gauthier,
Secretário-Geral da CIDSE

Referências:
[1] Inspirado por Francis do Papa Encíclica Laudato Si ', assistência ao lar comum.
[2] Números recolhidos por relatório: "A cor do coronavírus: mortes por COVID-19 por raça e etnia nos EUA" pelo APM Research Lab e relatado por The Guardian
[3] Radio Canada relatado sobre o problema
[4] Vejo Relatório REPAM sobre a propagação da pandemia na Amazônia
[5] A inspiração nesse conceito foi tomada pelo Documento final do Sínodo na Amazônia, Capítulo IV, par. 67 e 81.
[6] Arundhati Roy, Discussão de Guerra: “Outro mundo não é apenas possível, ela está a caminho. Em um dia calmo, eu posso ouvi-la respirar.

Compartilhe esse conteúdo nas mídias sociais