Carta aberta sobre EUCSDD por Bertha Zùniga Càceres – CIDSE

Carta aberta sobre EUCSDD por Bertha Zùniga Càceres

À medida que as negociações sobre a proposta de Diretiva de Devida Diligência Empresarial Sustentável da UE (CSDDD) se aproximam de um acordo entre a Comissão Europeia, o Parlamento Europeu e o Conselho da UE, Bertha Zùniga Càceres, Coordenadora Geral do COPINH, Honduras, enviou uma carta aberta aos tomadores de decisão da UE no dia 29 de Setembro para instá-los a garantir que a futura legislação europeia será robusta e eficaz o suficiente para proteger as comunidades de abusos corporativos dos direitos humanos e permitir que as vítimas tenham acesso à justiça nos tribunais europeus, quando tais abusos acontecerem.

Juntamente com a sua comunidade e a sua família, ela é encorajada a saber que a directiva europeia proposta estabelecerá deveres juridicamente vinculativos para as empresas respeitarem os direitos humanos e o ambiente.

“Esta é uma grande oportunidade para a UE mostrar liderança no sentido de garantir que as empresas atuem de forma responsável”.

No entanto, ela expressa grande preocupação pelo facto de não incluir totalmente as mesmas obrigações de devida diligência para o sector financeiro que para outras empresas e, como tal, pode não conseguir evitar violações brutais dos direitos humanos por parte das empresas.

“A minha mãe foi assassinada por defender os direitos da nossa comunidade, por ordem de uma empresa que recebia financiamento de investidores europeus.”

Juntamente com o COPINH, apela a uma maior responsabilização e obrigações mais fortes para as empresas e investidores europeus no sentido de respeitarem os direitos humanos:

  • A legislação precisa de incluir a responsabilidade por toda a cadeia de valor de uma empresa, permitir que as vítimas tenham acesso à justiça e incluir todas as relações comerciais, incluindo relações de investimento.
  • A legislação deve ser melhorada para permitir que as comunidades afectadas tenham acesso à justiça. A directiva deve garantir uma distribuição equitativa do ónus da prova, garantir que os prazos de prescrição para a apresentação de reclamações de responsabilidade sejam razoáveis, que os requerentes possam recorrer a mecanismos de reparação colectiva e que as organizações da sociedade civil e os sindicatos tenham o direito de intentar acções representativas contra em nome das vítimas.

Esperamos que a sua voz seja ouvida.



BACKGROUND

Em março de 2016, Bertha Càceres foi morta a tiros em sua casa em La Esperanza (Honduras) por causa do papel de destaque que desempenhou na luta do povo indígena hondurenho Lenca para proteger suas terras de um projeto de barragem hidrelétrica que os teria privado de território e patrimônio. O investimento, liderado por um consórcio de financiadores internacionais, teve a oposição do povo Lenca desde o seu início e foi executado de forma violenta e ilegal com o apoio do governo hondurenho. A empresa responsável pelo projeto, de fato, ignorou as normas internacionais de direitos humanos e não consultou as comunidades indígenas, recorrendo à violência fatal quando se deparou com a oposição.

Bertha Zùniga Càceres é filha de Bertha Càceres e continua a luta de sua mãe e do povo Lenca. É Coordenadora Geral do COPINH, Conselho Cívico de Organizações Populares e Indígenas de Honduras. Mais informações disponíveis plítica de privacidade .


Crédito da foto: Garry Walsh, Trócaire

Compartilhe esse conteúdo nas mídias sociais