Uma Europa pós-crescimento essencial para sobreviver e prosperar, instam mais de 400 grupos da sociedade civil e especialistas – CIDSE

Uma Europa pós-crescimento é essencial para sobreviver e prosperar, exortam mais de 400 grupos da sociedade civil e especialistas

O CIDSE assinou a Carta Aberta: “Uma Europa pós-crescimento essencial para sobreviver e prosperar“, liderado por Timothée Parrique, Kate Raworth, Vincent Liegey, European Environmental Bureau, European Youth Forum, Friends of the Earth Europe e Wellbeing Economy Alliance, publicado em toda a Europa no dia 1 do Parlamento Europeu Conferência Além do Crescimento (15 de maio de 2023)

O texto completo da carta, incluindo a lista de referências e as assinaturas, pode ser baixado abaixo em diferentes idiomas.

Enquanto os líderes políticos se reúnem para uma segunda conferência no Parlamento Europeu sobre como ir “além do crescimento”, nós, académicos e organizações da sociedade civil abaixo assinados, vemos a crise geopolítica como uma oportunidade para nos desligarmos da competição social e ecologicamente prejudicial do crescimento e, em vez disso, abraçar uma cooperação de bem-estar.

Não há base empírica que indique que é possível dissociar global e suficientemente o crescimento econômico das pressões ambientais. A busca do crescimento econômico sem fim pelas nações de alta renda é um problema, pois reduz ou anula os resultados das políticas ambientais. O caos climático atual e a teia de vida em desenvolvimento da qual nossa sociedade depende é uma ameaça existencial à paz, à segurança hídrica e alimentar e à democracia.

Avançar para uma economia pós-crescimento não é apenas para sobreviver, mas também para prosperar. Isso exige uma redução equitativa e democraticamente planejada da produção e do consumo, às vezes chamada de 'decrescimento', naqueles países que excedem seus recursos ecológicos. Este é o projeto de paz global da Europa, porque seu atual crescimento econômico está causando conflitos dentro e fora da Europa.

No contexto das nações de alta renda, uma pegada menor não significa piores condições de vida. Políticas de suficiência com foco na frugalidade, redução de recursos e redução do tempo de trabalho podem aumentar significativamente o bem-estar e diminuir as pressões ambientais, criando assim a possibilidade de prosperidade sustentável sem crescimento. Para garantir a mais alta qualidade de vida com a menor pegada, devemos mudar completamente os objetivos e as regras do jogo econômico. Em uma economia pós-crescimento, o foco atual no crescimento quantitativo seria substituído pelo objetivo de prosperar em uma economia regenerativa e distributiva, que proporcione bem-estar qualitativo ao atender às necessidades de todas as pessoas dentro dos meios do planeta vivo – conforme elaborado no âmbito da Donut Economics.

Os mercados provaram estar mal equipados para tomar as decisões mais cruciais em nossa sociedade. Para que a economia sirva ao povo, e não o contrário, o povo deve recuperar o controle sobre a economia. Para mudar as regras do jogo, precisamos aprender com as iniciativas já existentes. Por exemplo, ampliar em toda a UE o modelo de cooperativas sem fins lucrativos.

À luz destes desafios prementes e oportunidades estimulantes, exortamos a União Europeia, as suas instituições e os Estados-Membros a implementar:

1. Instituições europeias pós-crescimento: constituem estruturas permanentes na Comissão, no Conselho, no Parlamento e nos Estados-Membros para avaliar estratégias e percursos pós-crescimento.

2. Um European Green Deal além do crescimento: projetar um novo programa emblemático moldado em torno de uma abordagem de mudança sistêmica que aspire a criar um futuro próspero dentro dos limites planetários, com o decrescimento como uma fase de transição necessária para um destino pós-crescimento.

3. Além das políticas de crescimento baseadas nos quatro princípios de:

  • Biocapacidade: eliminação gradual de combustíveis fósseis, limites à extração de matéria-prima e medidas de proteção e restauração da natureza para solos, florestas, ecossistemas marinhos e outros ecossistemas saudáveis ​​e resilientes. Por exemplo, um Tratado de Não Proliferação de Combustíveis Fósseis, uma Lei de Justiça e Resiliência de Recursos, incluindo uma meta obrigatória de redução da pegada de material e restauração real da natureza baseada na área
  • justiça: instrumentos fiscais para promover uma sociedade mais igualitária, erradicando os extremos de renda e riqueza, bem como os superlucros. Por exemplo, um imposto sobre riqueza de carbono, rendas mínimas e máximas.
  • bem-estar para todos: acesso garantido a infraestruturas essenciais por meio de um estado de bem-estar melhorado e ecologicamente sensível. Por exemplo, Serviços Básicos Universais (incluindo os direitos humanos à saúde, transporte, assistência, moradia, educação e proteção social, etc.), garantias de emprego, controle de preços para bens e serviços essenciais.
  • democracia ativa: assembleias de cidadãos com mandatos para formular estratégias de suficiência socialmente aceitáveis ​​e fortalecer políticas baseadas em limites ecológicos, justiça e bem-estar para todos e um papel mais forte para os sindicatos. Por exemplo, fórum de necessidades locais, convenções climáticas, orçamento participativo.

Já se passaram cinco anos desde a primeira conferência “pós-crescimento”. Na sociedade civil e na academia, as ideias críticas para o crescimento têm se tornado cada vez mais fortes. Os detalhes dessas ideias estão sendo discutidos no Parlamento Europeu e com a Comissão Europeia neste momento. O conhecimento científico e as percepções políticas estão disponíveis para tornar realidade as ideias de decrescimento e pós-crescimento. As crises que enfrentamos também são oportunidades para criar um novo sistema que possa garantir o bem-estar de todos, ao mesmo tempo em que permite uma vida democrática próspera e um modo de vida mais lento, porém mais doce.

Compartilhe esse conteúdo nas mídias sociais