Organizações católicas alertam contra lavagem verde antes de votação crucial sobre lei complementar para delegados climáticos – CIDSE

Organizações católicas alertam contra lavagem verde antes de votação crucial sobre lei complementar do clima

Enquanto o Parlamento Europeu se prepara para votar amanhã sobre a possibilidade de vetar a proposta da Comissão de um Ato Delegado Climático Complementar  (CCDA) durante a sua sessão plenária em Estrasburgo, CIDSE, do Centro Social Europeu dos Jesuítas (JESC) e o Movimento Laudato Si ' manifestam a sua preocupação e apelam aos legisladores para que preservem a integridade da taxonomia da UE e toda a liderança da UE em matéria de clima, rejeitando esta proposta.   

A Taxonomia da UE é uma ferramenta preciosa que ajudará a transferir bilhões de combustíveis fósseis para atividades sustentáveis, a fim de cumprir as metas do Green Deal. Infelizmente, o conteúdo atual da Lei Delegada do Clima Complementar (CCDA) é motivo de preocupação para as referidas organizações, quem trabalha para promover uma transição verdadeiramente ecológica respondendo tanto ao “grito da Terra quanto ao clamor dos Pobres”, de acordo com o Laudato Si ' Encíclica. Tal como está, esta lei prejudicaria o cumprimento das metas climáticas globais do Acordo de Paris e as metas da UE de reduzir as emissões em 55% até 2030, e marcaria um retrocesso preocupante na realização de uma transição verdadeiramente ecológica e justa

Os critérios utilizados por este Ato Delegado para classificar o gás e a energia nuclear como “verdes” são enganosos. A energia nuclear é uma fonte de energia social, ambiental e economicamente insustentável porque não pode proporcionar uma transição justa e de longo prazo. Além disso, a urgência das mudanças climáticas torna qualquer investimento em nova infraestrutura de gás fóssil incompatível com a limitação do aquecimento global em 1.5°C (International Energy Agency, Zero líquido em 2050, maio de 2021). A própria Comissão Europeia (Impact Assessment SWD(2020) 176 final) concluiu que, para atingir a meta de redução de emissões da UE em 2030, o consumo de gás fóssil na UE precisaria diminuir em 32-37% até o final desta década.

A classificação do gás e da energia nuclear como “verde” também não é consistente com os pareceres dos especialistas científicos da Plataforma da UE sobre Finanças Sustentáveis ​​e do Grupo de Peritos Técnicos. Isso ameaça a credibilidade da taxonomia. Tais critérios também foram estabelecidos sem respeitar o processo democrático exigido: o Parlamento Europeu não foi devidamente consultado pela Comissão Europeia antes da publicação; a Comissão também recusou o pedido do Parlamento de realizar uma avaliação de impacto sobre os efeitos do ato delegado e não realizou consultas públicas. Isso pode levar a uma violação do direito da UE. Em seu texto atual, o Ato Delegado é incoerente com os objetivos do Plano REPowerEU que visa acabar com a dependência da UE dos combustíveis fósseis russos.   

Este Ato Delegado terá efeitos negativos nas famílias mais vulneráveis ​​da Europa e promoverá o extrativismo e a exploração dos recursos naturais. Rotular como energia “verde” e aquecimento gerado por gás fóssil e usinas nucleares dará aos investidores carta branca para continuar no modo “business as usual”. O gás fóssil é hoje a principal causa da crise energética na Europa e seu preço só deve aumentar, tornando-se inacessível para as famílias mais pobres. Isso transferirá o ônus da redução das emissões de GEE para as gerações futuras e para outras regiões do mundo. As políticas da UE não devem prejudicar os objetivos de desenvolvimento dos países parceiros do Sul Global; a UE deve diminuir urgentemente seu consumo e aliviar a pressão sobre a extração de recursos naturais do Sul Global, liberando recursos para o desenvolvimento do setor crucial de energia renovável, infraestrutura e acesso à energia.

Esta posição também ressoa com a visão de muitas organizações cristãs que decidiram se desfazer dos combustíveis fósseis nos últimos anos, eles representam 35% de todos os compromissos de desinvestimento globalmente e hoje mais 30 instituições religiosas anunciam o desinvestimento de empresas de petróleo e gás.

Notas aos editores:

Contato de mídia: Valentina Pavarotti, pavarotti(at)cidse.org 

CIDSE é uma família internacional de organizações católicas de justiça social que trabalham pela mudança transformacional para acabar com a pobreza e as desigualdades, desafiando a injustiça sistêmica, a desigualdade, a destruição da natureza e promovendo alternativas justas e ambientalmente sustentáveis.


JESC é um trabalho da Conferência Jesuíta dos Provinciais Europeus que expressa o compromisso da Companhia de Jesus por uma Europa onde os direitos humanos, a liberdade e a solidariedade são a base da integração. A sua missão central é refletir sobre a vida, as políticas e a prática da União Europeia, procurando um compromisso que expresse autenticamente a fé cristã, permaneça próximo dos pobres e marginalizados, analise a realidade social e defenda a justiça na Europa. 

Movimento Laudato Si ' é um movimento católico criado em 2015 para inspirar e mobilizar os católicos para cuidar da nossa casa comum e alcançar a justiça climática e ecológica. O LSM é impulsionado pela carta encíclica do Papa Francisco Laudato Si'. O LSM reúne mais de 800 organizações católicas em todo o mundo.


Foto: "Pôr do Sol dos Combustíveis Fósseis" de arbitrário está licenciado sob CC BY-NC-SA 2.0.

Compartilhe esse conteúdo nas mídias sociais