Agricultura, alimentação e guerra na Ucrânia – CIDSE

Agricultura, comida e guerra na Ucrânia

Análise em 11 questões

Um documento para compreender uma situação complexa e demonstrar porque algumas soluções podem ser contraproducentes por CCFD-Terre Solidaire, Fondation pour la Nature et l'Homme, Friends of the Earth France, Greenpeace, Action Against Hunger e FNAB.
2022 de Maio


Desde o início da agressão russa na Ucrânia, os preços dos alimentos já subiram 16.9% e 170 milhões de pessoas caíram na pobreza extrema em todo o mundo. Em resposta, a Comissão Europeia optou por “produzir mais”, por exemplo, recultivando áreas de interesse ecológico (terras em pousio). Esta visão, que conduz a medidas de emergência, está, no entanto, longe da realidade da situação: a actual subida de preços não se deve tanto à falta de oferta, mas a mercados internacionais estruturalmente deficientes.

  • Quais são as verdadeiras causas do aumento dos preços dos alimentos?
  • Quais países e populações serão mais afetados pela situação nos próximos meses?
  • Devemos produzir mais na Europa para “alimentar o mundo”?
  • A agroecologia é uma solução para combater a insegurança alimentar e preservar os ecossistemas?
  • Qual é o nível de independência, sustentabilidade e resiliência da agricultura europeia?

Essas perguntas, assim como muitas outras, continuam aparecendo nos noticiários. Perante esta situação, seis organizações, incluindo CCFD-Terre Solidaire – a organização francesa membro do CIDSE – estão propondo uma decodificação conjunta destinada a destacar a complexidade das questões agrícolas e alimentares em jogo nesta crise e desconstruir algumas afirmações que surgiram nas últimas semanas. Essa decodificação é essencial para entender corretamente o próximo aumento nos preços dos alimentos e evitar soluções de curto prazo que acabariam por comprometer a segurança alimentar global, ao mesmo tempo em que precipitariam o colapso da biodiversidade e as perturbações climáticas.

Descubra as 11 perguntas para decodificar a situação:

  1. Quais são as consequências do ataque russo na Ucrânia à agricultura e à alimentação em todo o mundo?
  2. Quais países e populações serão mais afetados nos próximos meses pelo impacto desta guerra na agricultura e na alimentação?
  3. Precisamos produzir mais na Europa para “alimentar o mundo”?
  4. Vale a pena permitir a produção em áreas de foco ecológico (incluindo terras em pousio)?
  5. A estratégia “farm to fork” implica em decrescimento e deve ser questionada?
  6. Como o sistema agrícola e alimentar industrial e globalizado é contraproducente no combate à fome?
  7. Como a agroecologia pode ser uma solução de longo prazo para combater a insegurança alimentar e proteger os ecossistemas?
  8. A França está contribuindo para o crescimento de sistemas agrícolas e alimentares sustentáveis ​​nos países em desenvolvimento?
  9. Até que ponto a agricultura na França é independente, sustentável e resiliente?
  10. É possível reduzir rapidamente o gado na França e na UE, e quais devem ser as consequências a longo prazo?
  11. É benéfico reduzir os agrocombustíveis em meio a uma crise energética?

Leitura adicional
"O quê, como e porquê da crise alimentar global”, entrevista da CIDSE com Valentin Brochard, Food Sovereignty Advocacy Officer do CCFD Terre Solidaire, maio de 2022

Compartilhe esse conteúdo nas mídias sociais