Série de resumos de políticas de grilagem de terras - CIDSE

Série de resumos de políticas de grilagem de terras

O CIDSE coordenou a produção desta série, em colaboração com o CGLTE-OA e os principais atores envolvidos na plataforma africana “Our Land Is Our Life”, juntamente com organizações internacionais da sociedade civil na Áustria, Bélgica, France, Alemanha e Suíça . A série é ooficialmente lançado hoje em um evento de hidreto em Serra Leoa.

Nas últimas décadas, o aumento da demanda por commodities agrícolas (por exemplo, óleo de palma, grãos, gado) e recursos naturais (por exemplo, metais, carvão, petróleo), resultou no engajamento de empresas transnacionais em aquisições de terras em grande escala (LSLAs) Desde 2000, mais de 25 milhões de hectares de negócios de terras foram realizados na África, enquanto 14.3 milhões de hectares permanecem sem uso devido a negociações fracassadas. Essas operações ocorrem às custas das comunidades locais. causando graves consequências sociais e ambientais, como poluição da água, solo e ar, insegurança alimentar, divisão da comunidade, despejo forçado e pobreza. Ao buscar justiça, as comunidades indígenas, assim como os defensores dos direitos humanos e do meio ambiente, enfrentam longos processos judiciais com altos custos e difícil acesso a informações e evidências para os reclamantes. Enquanto isso, a oposição local é confrontada com violência, repressão, prisões arbitrárias, detenções e até mortes causadas por forças de segurança do Estado e de empresas. 

A produção destes três resumos de política, coordenado pela CIDSE e organizado pela Convergência Global da África Ocidental para as Lutas por Terra, Água e Sementes (CGLTE-OA) com parceiros da Plataforma Africana “Nossa Terra é Nossa Vida”, visa levantar as preocupações dos LSLAs como uma prioridade do Parceria África-UE antes da Cimeira UE-África de 2022 e, de forma mais geral, no contexto da parceria África-UE. As histórias de LSLAs em Serra Leoa (Addax / Sunbird Bioenergy SL Ltd e Socfin Agricultural Company SL Ltda.) bem como na República Democrática do Congo (Feronia) apelam aos governos europeu e africano e seus respectivos bancos de desenvolvimento para que parem de financiar tais operações que possam conduzir a conflitos, e apoiem a adoção de uma lei de devida diligência obrigatória da UE para regular as atividades corporativas.

Sua publicação culmina com o Peregrinação online pela Justiça organizado pela Igreja da África Ocidental em solidariedade com o ano 2021 caravana liderado pela Convergência Global da África Ocidental para as Lutas por Terra, Água e Sementes (CGLTE-OA) e seus parceiros. Ambos os eventos compartilham histórias pessoais e testemunhos das lutas das comunidades da África Ocidental afetadas pela apropriação de recursos e exploração corporativa. O lançamento oficial ocorre hoje, 10 de dezembro, durante o evento "Aquisições de terras em grande escala na África - Como prevenir a captura corporativa, violações dos direitos humanos e conflitos”Que marca o fim da jornada da caravana em Serra Leoa.





Contato: Emmanuel Yap, Oficial de direitos fundiários (yap (at) cidse.org)



O briefing da Addax foi produzido com o apoio financeiro da União Europeia.
Os briefs da Feronia e da Socfin foram produzidos com o apoio financeiro da União Europeia e da Cooperação para o Desenvolvimento da Bélgica.
Os conteúdos são da exclusiva responsabilidade dos autores e não refletem necessariamente as opiniões da União Europeia e a opinião oficial da instituição belga.


Crédito da foto: Pão para todos

Compartilhe esse conteúdo nas mídias sociais
Protegido por miniOrange