Vinculando a igualdade de gênero e a justiça alimentar na preparação para a Cúpula dos Sistemas Alimentares das Nações Unidas - CIDSE

Vinculando igualdade de gênero e justiça alimentar na preparação para a Cúpula dos Sistemas Alimentares das Nações Unidas

Foto: ONU Mulheres.

Antes da Cúpula dos Sistemas Alimentares das Nações Unidas, que está sendo criticada pela sociedade civil por ser desproporcionalmente influenciada por atores corporativos, pedimos a Chiara Martinelli e Harriet Nakasi que refletissem sobre os vínculos entre igualdade de gênero e justiça alimentar.  

Chiara Martinelli é SConselheiro Enior no CIDSE e Harriet Nakasi é Diretora Executiva da Coalizão de Defesa para Agricultura Sustentável em Uganda (ACSA).  

Qual é, para você, a conexão entre justiça alimentar e justiça de gênero?  

Harriet: A justiça alimentar requer uma visão holística e estrutural dos sistemas alimentares. Ele vê a alimentação saudável como um direito humano e aborda as barreiras estruturais para isso. Nesse sentido, a justiça alimentar está diretamente ligada à justiça de gênero. Olhando para a situação da produção de alimentos no que diz respeito ao acesso e controle da terra e outros recursos pelas mulheres na África, vemos que há controle pelos homens sobre a produção e os rendimentos da produção. O envolvimento das mulheres na tomada de decisões com relação a alimentos e terra é mínimo. Por exemplo, o homem pode optar por se desfazer da terra sem consultar a mulher, o que expõe mulheres e crianças a vulnerabilidades. Devido às disposições culturais, é comum as mulheres não herdarem propriedades e, no entanto, mais de 60% da produção de alimentos é feita por elas. Em última análise, isso afeta o sustento das famílias, comunidades e do país em geral. 

O papel reprodutivo das mulheres também exige requisitos nutricionais adequados, no entanto, as mulheres indicaram que “Os nossos homens vendem os alimentos de boa qualidade que produzimos, deixando-nos com baixa qualidade para a alimentação das famílias”. Isso também pode explicar a incompatibilidade entre a produção e o consumo de alimentos, onde podemos ter altos níveis de desnutrição em grandes áreas de produção de alimentos, como no caso de Uganda.  

O fato de que as mulheres muitas vezes não possuem terras também as exclui do acesso a recursos e finanças e as mantém dependentes dos homens. Outras opções para as mulheres terem acesso a recursos financeiros freqüentemente enfatizam uma “abordagem de grupo em vez de individual”. Portanto, é necessário engendrar a tomada de decisões e a alocação de recursos. Além disso, muitas famílias alugam terras para a produção de alimentos, mas o não pagamento do aluguel leva à perda de uma grande porcentagem da produção (maior do que o que o fazendeiro permanece). Isso exige diretrizes claras sobre o aluguel de terras e a conscientização pública sobre seu direito sobre a terra.   

As leis africanas deixam lacunas na sucessão de propriedades, uma pequena porcentagem das quais vai para as mulheres e seus filhos. Nenhum direito é garantido às mulheres no caso de casais que não são legalmente casados. Isso também se relaciona ao acesso desigual à justiça para as mulheres. Uganda tentou melhorar a situação com a Lei de Execução dos Direitos Humanos de 2019, que permite, em certa medida, corrigir as desigualdades e injustiças para as mulheres. É também uma questão de acesso à justiça. É necessário garantir que o processo de busca de justiça nos tribunais de nível inferior e acesso a advogados do governo não seja complicado para lidar com as violações dos direitos humanos.  

 Por que é tão importante destacar a contribuição das mulheres no campo da nutrição?  

Chiara: A insegurança alimentar tem um impacto desproporcional nas mulheres em todo o mundo. No entanto, as mulheres não são apenas vítimas deste sistema alimentar dominante que não garante a justiça alimentar, mas também são agentes de mudança, trazendo insumos para construir esses sistemas alimentares a partir de uma perspectiva da ecologia integral. Devemos falar de uma cultura do cuidado, com a perspectiva das mulheres de cuidar do planeta, dos outros, da diversidade, garantindo a inclusão de diversos atores na construção de sistemas alimentares resilientes. Essa é uma contribuição que as mulheres podem trazer para essa discussão. Além disso, as mulheres estão na linha de frente da produção de suas próprias safras em diferentes regiões do mundo, mas também na diplomacia, na política e nos negócios, trazendo um fio condutor de uma cultura de cuidado. 

A Cúpula dos Sistemas Alimentares das Nações Unidas pode ser um divisor de águas para a evolução e transformação dos sistemas alimentares. Quais mensagens de política e defesa relacionadas à igualdade de gênero, direitos humanos e justiça alimentar você considera crucial enfatizar na preparação para a Cúpula dos Sistemas Alimentares da ONU?  

Harriet: Antes da Cúpula dos Sistemas Alimentares da ONU, vários participantes devem reorientar suas aspirações para um sistema alimentar inclusivo que possa funcionar para os grupos pobres e marginalizados. Isso deve abranger o seguinte: investimento na “agricultura como um negócio” implicando, por exemplo, esforços adicionais para fornecer aos agricultores um forte poder de negociação da produção, a capacidade de agregar valor à produção, empreendendo produção e gestão coletivas, juntamente com a diversificação de empresas com atividades agrícolas bem planejadas e acesso a assessoria técnica sempre que necessário; garantia de acesso a mercados e instalações de agro-processamento; apoio a sistemas de produção agrícola resilientes ao clima; integração da agroecologia nas políticas em torno dos sistemas alimentares; e abordar lacunas na capacidade humana e estrutural para apoiar o setor agrícola. Por outro lado, um dos objetivos imediatos deve ser o empoderamento e a mudança de mentalidade de mulheres e homens para conhecer seus direitos e romper as demandas culturais, além de aumentar o acesso às informações sobre direitos humanos. 

Chiara: O que surge para mim como um fio condutor é a inclusividade: um enfoque na escuta das experiências concretas daqueles que estão na linha de frente que enfrentam a questão da insegurança alimentar, escutando a experiência e o conhecimento de pequenos agricultores de diferentes partes do mundo, ouvindo à contribuição das mulheres nesse processo. A Cúpula deve ser inclusiva e devemos garantir que haja um lugar à mesa para as pessoas que mais sofrem com a insegurança alimentar no mundo, mas também para os pequenos agricultores em várias partes do mundo que contribuem para a produção de alimentos Para todos nós. 

Como você vê o papel da Igreja e de outros participantes nesta transformação dos sistemas alimentares para cuidar de nossa casa comum, para que ninguém seja deixado para trás? 

Chiara: A Santa Sé e os vários atores da Igreja devem contribuir para este processo rumo à Cúpula dos Sistemas Alimentares das Nações Unidas com uma abordagem baseada na visão da ecologia integral que o Papa Francisco nos apresenta na Encíclica Laudato si '. Isso é fundamental para enfrentar os desafios globais de forma sistêmica e não setorial. Não devemos olhar para a injustiça alimentar apenas como um problema de escassez de alimentos, que certamente deve ser resolvido, mas também como um problema de justiça. A desigualdade deve ser tratada em todo o sistema alimentar, da produção ao consumo, da distribuição à gestão de resíduos. Portanto, é necessária uma visão de 360 ​​graus que nos ajude a ver quais elementos-chave são necessários para ter um sistema alimentar que esteja atento à escassez de alimentos em algumas das partes mais vulneráveis ​​do planeta, mas que também pretenda ser resiliente, capaz para se adaptar às mudanças climáticas, e pode garantir uma nutrição saudável para todos. 

Background:   

As respostas de Chiara Martinelli são adaptadas da seguinte entrevista: Le donne agenti di cambiamento no campo della sicurezza alimentare - Vatican News  

Harriet Nakasi compartilhou suas opiniões sobre justiça alimentar de forma mais ampla durante um webinar organizado pelo Vaticano, intitulado: “Justiça alimentar: empregos, inovação e finanças a serviço da justiça alimentar”. Sua intervenção pode ser encontrada em: https://www.youtube.com/watch?v=XsCLjyh_TDQ (Minuto 39:00 a 49:30)  

Mais informações sobre Posição e papel da CIDSE em relação à Cúpula de Sistemas Alimentares da ONU pode ser encontrado AQUI. Algumas reflexões sobre sistemas alimentares e justiça da Secretária Geral da CIDSE, Josianne Gauthier, pode ser observada AQUI.  

Compartilhe esse conteúdo nas mídias sociais