Do COVID-19 à transformação radical dos nossos sistemas alimentares - CIDSE

De COVID-19 à transformação radical de nossos sistemas alimentares

Novo relatório do Mecanismo da Sociedade Civil e dos Povos Indígenas (CSM) para as relações com o Comitê de Segurança Alimentar Mundial (CFS) das Nações Unidas

O Mecanismo da Sociedade Civil e dos Povos Indígenas (CSM) para as relações com o Comitê das Nações Unidas sobre Segurança Alimentar Mundial (CFS) sediou hoje um briefing de política virtual para lançar o Relatório de Síntese Global
"Vozes do solo: do COVID-19 à transformação radical de nossos sistemas alimentares".
O briefing de política também foi uma oportunidade para apresentar os CSMs apelo à acção na Cúpula de Sistemas Alimentares.

Comunicado à imprensa: Organizações globais de base exigem uma transformação radical dos sistemas alimentares para enfrentar os impactos da COVID-19
Roma, 12 de outubro de 2020 - A crise alimentar da COVID-19 está intimamente ligada às injustiças econômicas, sociais, de gênero e ambientais do neoliberalismo de livre mercado, afirma um relatório lançado hoje pelo maior espaço internacional de organizações de base e povos indígenas que trabalham para erradicar os alimentos insegurança e desnutrição. A crise não será corrigida por medidas de emergência ou pacotes de estímulo que perpetuam o mesmo modelo, mas apenas por uma transformação radical dos sistemas alimentares em conformidade com os direitos humanos.

Entre 83 e 180 milhões de pessoas a mais podem passar fome por causa da pandemia, elevando o número total de pessoas com insegurança alimentar para mais de 2 bilhões. Ações ousadas são necessárias para reverter essa tendência. Promover a alimentação como mercadoria não é mais uma opção, devido ao impacto catastrófico da agricultura industrial e da pecuária nas pessoas e nos ecossistemas. A soberania alimentar é a única solução para esta crise. Garante o direito a alimentos saudáveis ​​e culturalmente apropriados, produzidos por métodos ecologicamente corretos e sustentáveis, e o direito das pessoas de definir seus próprios sistemas alimentares e agrícolas.

Em Denunciar mostra que as iniciativas mais eficazes para enfrentar a crise alimentar da COVID-19 vieram dos esforços da comunidade - para prevenir o contágio, proteger os trabalhadores (especialmente os migrantes), garantir a segurança alimentar e econômica, deter despejos e grilagem de terras. Apesar do reconhecimento oficial de que 70-80% do mundo é alimentado por produtores de alimentos em pequena escala e sistemas alimentares locais, a maioria das políticas COVID-19, apoio financeiro e pacotes de estímulo econômico continuam a favorecer o complexo agroindustrial corporativo e as cadeias de abastecimento globais. Produtores de alimentos em pequena escala, trabalhadores, povos indígenas, populações urbanas com insegurança alimentar e sem-terra, especialmente mulheres, estão entre os mais afetados pela pandemia. Sua saúde, meios de subsistência, segurança e acesso seguro aos recursos são os menos protegidos contra a pobreza, a discriminação e a violência. Além disso, o relatório expõe como a destruição do ecossistema causada por cadeias alimentares industriais está intimamente ligada ao aumento de patógenos como o COVID-19. Em vez de promover uma agricultura intensiva e voltada para a exportação que perpetua a desigualdade, os abusos dos direitos humanos e a crise climática, o relatório exorta os Estados a incentivar a agroecologia, que oferece alimentos saudáveis ​​e nutritivos, ao mesmo tempo que preserva o meio ambiente. A pandemia COVID-19 apresenta uma oportunidade única na vida de acelerar a transição agroecológica e reverter décadas de políticas neoliberais que exacerbaram as desigualdades e levaram à negligência oficial da esfera pública integral para a construção de saúde e bem-estar robustos e alimentos sustentáveis sistemas.

Além disso, é chegada a hora de redefinir as prioridades de desenvolvimento de acordo com a justiça de gênero e as demandas dos jovens como futuros guardiões dos sistemas alimentares, afirma o relatório. A ação pública deve priorizar a saúde futura das pessoas e do planeta, acabar com a discriminação estrutural e redistribuir o trabalho social reprodutivo e de cuidado realizado predominantemente por mulheres. O relatório é publicado antes de uma reunião virtual do Comitê das Nações Unidas sobre Segurança Alimentar Mundial (CFS), onde os governos discutirão como transformar os sistemas alimentares globais e lidar com os impactos do COVID-19.

O relatório encontra sérias lacunas na coordenação global para abordar o que é a pior crise alimentar em mais de uma década e que poucas respostas do Estado até agora se centraram na realização dos direitos humanos ou nas necessidades das comunidades vulneráveis ​​e marginalizadas. Houve abusos de poderes de emergência e um aumento na criminalização dos Defensores dos Direitos Humanos, enquanto as regulamentações ambientais e trabalhistas foram enfraquecidas.

Ainda assim, algumas iniciativas de governos mostraram que é possível apoiar os mais vulneráveis ​​fornecendo abrigo para os sem-teto, renda básica universal ou transferência de dinheiro em semanas.

O CFS tem o mandato e a capacidade de lidar com as fragilidades do sistema alimentar mundial para as quais COVID-19 chamou a atenção. As vozes levantadas no relatório convocam-no com urgência e os Estados a fazê-lo.

TERMINA

Contato para Imprensa
Marion Girard | marion.girard.cisneros@csm4cfs.org | +31 686152970

Reports
• "Vozes do solo: de COVID 19 à transformação radical de nossos sistemas alimentares"
. Relatório CSM Mulheres no COVID-19
. Declaração de Política da Juventude do CSM no COVID-19

O relatório foi preparado pela Sociedade Civil e Mecanismo dos Povos Indígenas (CSM) para as relações com o Comitê da ONU sobre Segurança Alimentar Mundial e inclui vozes de pequenos produtores de alimentos, Povos Indígenas, trabalhadores, povos sem terra, insegurança alimentar urbana, mulheres e juventude.
O relatório foi lançado oficialmente por seus principais autores durante uma conferência de imprensa virtual em 12 de outubro de 2020.

Compartilhe esse conteúdo nas mídias sociais