Relatório sobre o estado do direito à alimentação e nutrição 2020 - CIDSE

Relatório sobre o estado do direito à alimentação e nutrição 2020

Autores: Daniel Fyfe, Ayushi Kalyan, Yifang Tang, M. Alejandra Morena, Astrud Lea Beringer

A novo relatório da Rede Global para o Direito à Alimentação e Nutrição (GNRtFN) retrata uma história alternativa de fome

Pouco mais de uma semana após a publicação do relatório do Estado de Segurança Alimentar e Nutricional das Nações Unidas (SOFI), que apresenta os índices globais de fome e insegurança alimentar, a Rede Global para o Direito à Alimentação e Nutrição (GNRtFN) lança seu Estado do Direito à Relatório de Alimentação e Nutrição.

Como no edição anterior, esta questão procura complementar SOFI usando uma abordagem alternativa baseada no progresso em relação ao direito à alimentação e à soberania alimentar para monitorar a fome e a desnutrição.

“O objetivo é olhar além dos números apresentados pela SOFI, retratando idéias de lutas no terreno entre regiões, uma perspectiva muitas vezes deixada de fora das discussões sobre insegurança alimentar”, explica Daniel Fyfe, coordenador de monitoramento da FIAN International, Secretaria do GNRtFN.

“Comunidades, movimentos sociais e organizações da sociedade civil que trabalham diariamente no local são os“ verdadeiros especialistas ”cujas vozes devem ser ouvidas ao monitorar o direito à alimentação e nutrição”, Fyfe continua.

O relatório deste ano também apresenta como a pandemia do COVID-19 expôs décadas de políticas fracassadas que cortam os direitos sociais e trabalhistas das pessoas, deixando-as à mercê de bancos de alimentos e outras instituições de caridade. Junto com Relatórios de Monitoramento COVID-19 da FIAN International, esta edição destaca como as causas estruturais da fome e da desnutrição são anteriores à pandemia do COVID-19, que, segundo a SOFI, aumentará severamente o número de pessoas com fome, tornando ainda mais difícil a meta de fome zero até 2030 do objetivo de desenvolvimento sustentável 2. atingir.

Alguns dos desenvolvimentos sobre o direito à alimentação e nutrição destacados no relatório incluem:

  • O surto da doença COVID-19 destacou a importância ligação intrínseca entre o sistema alimentar industrial predominante, as alterações climáticas e a destruição ecológica. O direito à alimentação e nutrição oferece um lugar de convergência para os movimentos de justiça agrária e climática e serve como uma ferramenta poderosa para enfrentar a crise climática.
  • Em todas as regiões, as comunidades e os governos locais já estão transformando ativamente os sistemas alimentares, como em Gaza, onde práticas agrícolas urbanas e peri-urbanas se tornaram estratégias para alcançar a soberania alimentar em um contexto de prolongada crise; ou nas Ilhas Baleares da Espanha, onde o governo local usou sua política de compras para comprar produtos frescos de pequenos produtores locais de alimentos para ajuda alimentar e também para refeições nas escolas públicas.
  • O autoritarismo e os ataques aos direitos humanos persistem em várias regiões, por exemplo, na Índia, nas Filipinas e no Malawi. Os assassinatos de defensores dos direitos humanos continuam sendo galopantes na Colômbia, México, Honduras e Brasil.
  • Por outro lado, o direito à alimentação e nutrição foi fortalecido por meio de desenvolvimentos legais progressivos em nível nacional, por exemplo, no Paraguai, Honduras e Togo. A nível regional, a Comissão Africana dos Direitos Humanos e dos Povos adotou uma resolução sobre o direito à alimentação e nutrição, enquanto a Corte Interamericana de Direitos Humanos emitiu uma decisão histórica que reconheceu pela primeira vez uma violação do direito à alimentação.
  • A responsabilidade pelos direitos humanos em nível internacional continua enfraquecida: o Escritório do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos (OHCHR) sofreu severas restrições orçamentárias e a sociedade civil em todo o mundo duramente criticado a assinatura de um acordo de parceria estratégica entre a ONU e o Fórum Econômico Mundial como captura corporativa da ONU.

“O relatório sobre o estado do direito à alimentação e nutrição confirma a necessidade premente de proteger os direitos humanos”, Daniel Fyfe aponta.

"À luz da atual crise múltipla, as comunidades em todo o mundo já começaram a se organizar para a transformação dos sistemas alimentares, o que implica reivindicar os direitos dos pequenos produtores de alimentos que produzem a maior parte dos alimentos que consumimos. Mais do que nunca, os Estados precisam implementar urgentemente instrumentos-chave para a realização do direito à alimentação e nutrição adequadas adotado pelo Comitê de Segurança Alimentar Mundial da ONU, bem como pela Declaração da ONU sobre os Direitos dos Camponeses e Outras Pessoas que Trabalham em Áreas Rurais”, Conclui Fyfe



Nota: O relatório abrange o período entre julho de 2019 e julho de 2020. Ele não afirma ser exaustivo, mas abrange países, regiões e casos em que o Membros do GNRtFN estão ativos.

O CIDSE é membro da Rede Global pelo Direito à Alimentação e à Nutrição, que reúne cerca de 50 organizações da sociedade civil e movimentos sociais de todas as regiões do mundo.

Compartilhe esse conteúdo nas mídias sociais