Mais de 110 bispos se manifestam para impedir abusos corporativos - CIDSE

Mais de 110 bispos se manifestam para impedir abusos corporativos

[Role para baixo para as traduções do comunicado de imprensa]

O abuso corporativo em detrimento das pessoas ainda é generalizado, mas Estados em todo o mundo têm uma oportunidade única de intensificar e impedir isso, introduzindo medidas vinculativas em nível nacional, mas especialmente em nível internacional e regional, onde existem as principais lacunas, conforme argumentado por uma grande grupo internacional de bispos e cardeais.

Vários líderes da Igreja Católica assinaram a Declaração dos Bispos: “Agora, mais do que nunca, precisamos da devida diligência obrigatória da cadeia de suprimentos para interromper o abuso corporativo e garantir a solidariedade global”. A declaração publicada hoje exige que os Estados parem urgentemente os abusos corporativos em andamento, introduzindo legislação vinculativa para regular suas atividades e responsabilizá-las por lei. Segundo os bispos, nossas economias devem seguir valores de dignidade e justiça e respeitar os direitos das pessoas e do meio ambiente. O abuso corporativo é generalizado e a crise do Covid-19 exacerbou a situação, especialmente para as comunidades mais vulneráveis ​​que careciam de proteção social. As mulheres foram mais uma vez desproporcionalmente afetadas pela crise e, ao mesmo tempo, “essa pandemia expôs nossa interdependência e semeou o caos nas cadeias de suprimentos globais que interligam fábricas através das fronteiras, expondo nossa dependência de trabalhadores vulneráveis ​​que fazem trabalho essencial em todo o mundo. ”, Observa o comunicado.

Os bispos pedem solidariedade entre todos os membros de nossa família humana e afirmam que, sem uma legislação adequada, as empresas transnacionais não serão impedidas de sonegar impostos, violar direitos humanos, infringir leis trabalhistas e destruir ecossistemas inteiros. Os Bispos argumentam que, diante do voluntarismo fracassado, a legislação obrigatória para regulamentar as empresas transnacionais é a única opção legislativa para proteger as comunidades e celebrar a interconexão de nossa natureza humana.

Embora alguns países europeus já possuam uma lei de due diligence ou estejam em processo de criação de uma, a União Européia está apenas recentemente se acelerando para harmonizar a atual colcha de retalhos que inclui importantes desenvolvimentos setoriais em nível regional para construir. O comissário da Justiça da UE, Didier Reynders deu um passo na direção certa ao anunciar que a legislação da UE sobre direitos humanos obrigatórios e due diligence ambiental para empresas será desenvolvida em breve, como sua contribuição ao Acordo Verde Europeu e no contexto do plano de recuperação pós-Covid-19 da UE. Congratulando-se com esses desenvolvimentos, a declaração também pede aos líderes estaduais que avancem em legislação vinculativa no nível da ONU, através do envolvimento no processo atual de Tratado da ONU sobre direitos humanos e atividades comerciais.

A declaração dos Bispos foi assinada por vários líderes de igrejas de países como Índia, Mianmar, Uganda e Colômbia, onde as comunidades foram afetadas pelas ações irresponsáveis ​​das empresas transnacionais. Ao mesmo tempo, muitos bispos da Europa (Áustria, Bélgica, França, Alemanha, Itália, Luxemburgo, Portugal, Suíça, Holanda) também acrescentaram suas assinaturas, enviando uma forte mensagem de que a Europa deve assumir sua responsabilidade.

Josianne Gauthier, Secretária Geral da CIDSE, a família internacional das organizações católicas de Justiça social que coordenou a declaração, disse: “Estou inspirada ao ver tantos representantes da Igreja falando a uma só voz sobre a questão do regulamento corporativo, sustentando o trabalho de muitas mulheres. e homens, muitos deles parceiros da CIDSE, cuja vida é dedicada à defesa dos direitos humanos e ambientais. Estamos todos interconectados e devemos a eles apoiar sua luta da maneira que pudermos. ”

A declaração dos Bispos permanecerá aberta para coletar ainda mais assinaturas, especialmente no período que antecede a próxima rodada de negociações de um Instrumento Legalmente Vinculativo sobre Empresas e Direitos Humanos nas Nações Unidas, este ano entrando em sua sexta sessão.

Notas para o editor:

Declaração dos Bispos: “Agora, mais do que nunca, precisamos da devida diligência obrigatória na cadeia de suprimentos para interromper o abuso corporativo e garantir a solidariedade global” em EN, ES, DE, FR, IT, PT, incluindo a lista completa de signatários.

Países de proveniência dos Bispos signatários: Argentina, Áustria, Bélgica, Bolívia, Brasil, República Centro-Africana, Chade, Colômbia, República Democrática do Congo, Equador, Egito, Etiópia, França, Alemanha, Guatemala, Honduras, Índia, Itália, Luxemburgo, Malawi, México, Marrocos, Marrocos, Mianmar, Holanda, Paraguai, Peru, Filipinas, Portugal, Porto Rico, África do Sul, Sri Lanka, Suíça, Uganda.

Cardeais signatários da Declaração: Cardeal Jean-Claude Hollerich, Luxemburgo; Cardeal Charles Maung Bo, Mianmar

Declaração: “O CIDSE saúda o anúncio histórico da Comissão Europeia sobre a devida diligência obrigatória em direitos humanos para 2021”

Media contato: Valentina Pavarotti, gerente de comunicações, pavarotti@cidse.org

Coordenador de declarações dos Bispos: Sylvia Obregon, Diretora de Regulação Corporativa e Extrativistas, obregon@cidse.org

Crédito da imagem: OIT Jean-Pierre-Pellissier

Compartilhe esse conteúdo nas mídias sociais