Vozes femininas no movimento climático: um testemunho - CIDSE

Vozes femininas no movimento climático: um testemunho

As mulheres jovens costumam ser destacadas na mídia internacional como representantes do movimento climático e defendidas como líderes, mas no campo elas podem enfrentar desafios culturais para se manifestar. Na ocasião do Dia Internacional da Mulher, entrevistamos a voluntária da Manos Unidas Natalia Díaz Martín (a segunda à esquerda na foto acima) sobre sua experiência como jovem em ativismo climático.

Como você está ativo agora no movimento climático?

Eu me envolvi em ativismo e comecei a combater a crise climática depois de participar do Acampamento Clima co-organizado pelo CIDSE e Manos Unidas no verão de 2018. Agora sou um dos precursores da Juventud por el Clima Tenerife, #FridaysforFuture nas Ilhas Canárias de Tenerife, e sou voluntário do Manos Unidas. Coleciono fotos de nossos eventos, dou palestras e faço parte da rede de jovens.

Por que é importante que o movimento climático valorize e incentive a participação das mulheres? 

Uma das oportunidades dessa crise climática é que ela afeta a todos nós, embora não da mesma maneira. Por um lado, estamos todos envolvidos e precisamos mudar; por outro, os países em desenvolvimento estão se afogando em impactos e com falta de recursos para mitigação. Nas sociedades, como sabemos, mulheres, crianças e idosos são os mais vulneráveis ​​e expostos a essas mudanças sem precedentes e os que mais sofrem.

Nesta perspectiva, a presença de mulheres na luta contra o clima é tão necessária quanto inevitável.

Além desse fato, em um mundo predominantemente patriarcal, as mulheres são uma poderosa fonte de mudança, por causa de suas tarefas e deveres. Na verdade, eu ousaria dizer que eles são os mais eficazes. Se eles mudarem, o sistema muda e mais rapidamente.

Você já hesitou em assumir posições de liderança no ativismo climático como mulher? 

Natalia falando em um painel.

Da mesma forma, embora desde o início tenhamos tentado ter um papel totalmente igual em nossas intervenções públicas - e na maioria das vezes conseguimos - ainda existe uma maior predisposição masculina.

Essa é uma pergunta difícil, porque, embora no início eu tivesse mais posições de liderança, eu as estava entregando a outras pessoas por diferentes razões, sem considerar que uma delas é o fato de ser mulher. Percebi que muitas vezes as pessoas que considero mais capazes de transmitir a mensagem são os homens que me acompanham nessa luta, deixando-nos mulheres em segundo plano ou nos vendo mais à vontade por trás das redes sociais. E, afinal, isso pode ser interpretado como ocultamos nossos rostos de uma maneira completamente involuntária.

As vezes em que falei em eventos públicos, como debates ou meios de comunicação, inclusive no rádio (embora menos), foram por causa da crença na importância de dar voz feminina a esse movimento e porque não havia outras opções. Portanto, sim, hesitei muito em assumir um papel de liderança nesta luta, por questões de confiança ou valor, partilhado com o resto dos meus colegas.

Você sente que, no ativismo climático, sua voz é tão valorizada quanto a de um homem?

Acredito que a mensagem oferecida por um homem é mais poderosa ou atinge mais pessoas, enquanto nós, mulheres, somos sempre destacadas e desvalorizadas por aspectos que nada têm a ver com o nosso discurso, como vemos acontecendo com Greta.

Embora eu não tenha sofrido tanta opressão, me perguntaram repetidamente sobre o fenômeno Greta, sobre ela, sobre quem está por trás dele, e não sobre suas mensagens.

No entanto, estou feliz em conhecer e ver o reconhecimento de tantas mulheres ativistas do clima, como Helena Gualinga, que estão dando voz a esta crise e à necessidade de justiça climática. Acho que podemos nos orgulhar e sentir que somos tanto ou mais parte disso do que homens.

Natalia participando da COP25 em Madri.

O que você acha que pode ser feito no movimento climático para valorizar mais a participação e as vozes das mulheres?

Não acho que seja uma questão de ativismo climático, é uma questão de pensamento e de sistema.

A participação e a voz das mulheres estão lá, basta parar e ouvi-la e dar a mesma validade, independentemente de quem está falando, com a única certeza de que é uma pessoa e, portanto, merece validade e respeito.

No entanto, como eu disse, é um ato inconsciente, interiorizado e forjado desde o nascimento, e é um trabalho pessoal continuar mudando, nos informar e fazer um exercício de introspecção, para saber como agimos e por que agimos. isto. Tirar as vendas até que possamos ver do ponto de vista feminista.

No entanto, acredito que esta luta está sendo um grande impulso e intervindo positivamente nas conquistas dessa igualdade.


Após esta entrevista, me sinto um pouco mais feminista, porque olhei dentro de mim e me abri para você com total confiança. Eu acredito que é em grande parte o que se trata, amar e compartilhar.

Esta foi uma das entrevistas mais desafiadoras e profundas que já dei. Isso me fez refletir mais sobre ser mulher. Descubro nessas linhas que algo assumido como meu modo de ser coincide com um padrão compartilhado pelo meu gênero. Sou eu ou tem sido minha educação?

Natalia Díaz Martín é voluntária de 20 anos de idade no Manos Unidas e está no terceiro ano de ensino.

Compartilhe esse conteúdo nas mídias sociais