Contribuição da CIDSE para o IGWG sobre negócios e direitos humanos - CIDSE

Contribuição da CIDSE ao IGWG sobre empresas e direitos humanos

“Os negócios, nacionais ou internacionais, que prejudicam a Amazônia e não respeitam o direito dos povos originários à terra e seus limites, à autodeterminação e ao consentimento prévio, devem ser chamados pelo que são: injustiça e crime. Quando certas empresas buscam lucro rápido se apropriam de terras e acabam privatizando até mesmo água potável, ou quando as autoridades locais dão livre acesso às empresas madeireiras, projetos de mineração ou petróleo e outros negócios que arrasam as florestas e poluem o meio ambiente, as relações econômicas são indevidamente alterado e se tornar um instrumento de morte. Freqüentemente, recorrem a meios totalmente antiéticos, como penalizar protestos e até tirar a vida de povos indígenas que se opõem a projetos, provocar incêndios florestais intencionalmente e subornar políticos e os próprios indígenas. (14)

O interesse de algumas indústrias poderosas não deve ser considerado mais importante do que o bem da Amazônia e da humanidade como um todo. (48) A este respeito, não podemos deixar de elogiar o empenho das agências internacionais e das organizações da sociedade civil que chamam a atenção do público para estas questões e oferecem uma cooperação crítica, recorrendo a meios legítimos de pressão, para garantir que cada governo cumpra as suas funções adequadas e inalienáveis. responsabilidade de preservar o meio ambiente e os recursos naturais de seu país, sem capitular aos espúrios interesses locais ou internacionais. ” (50)  

Papa Francisco, Exortação Apostólica Pós-Sinodal Querida Amazônia, Fevereiro 2020.

CONTRIBUIÇÃO DA CIDSE PARA O GRUPO DE TRABALHO INTERGOVERNAMENTAL ABERTO SOBRE CORPORAÇÕES TRANSNACIONAIS E OUTRAS EMPRESAS DE NEGÓCIOS COM RESPEITO AOS DIREITOS HUMANOS - FEVEREIRO 2020

Há um impulso crescente pelo Tratado da ONU. 90 Estados das diferentes regiões participaram dos 5th sessão do grupo de trabalho intergovernamental (IGWG), com um número crescente de países expressando apoio ao processo e instrumento.

O apoio de outros atores-chave também está crescendo: em novembro de 2019, o Comitê Econômico e Social Europeu, um órgão consultivo essencial, adotou uma parecer de iniciativa em um “tratado vinculante da ONU sobre negócios e direitos humanos” com uma maioria tripartida de trabalhadores, empregadores e “grupo de diversidade” representando um amplo espectro de partes interessadas. O relatório é favorável a um Tratado e a um envolvimento ativo da UE no processo de negociação. 

Em outubro, o Conferência Episcopal Continental Pan-Africana SECAM em conjunto com o Conferência Queniana de Bispos Católicos exortou os governos e a comunidade internacional a garantir que as empresas respeitem os direitos humanos para o bem comum e a apoiar um tratado forte que abordará a lacuna de governança global e garantirá a prevenção de abusos. Em fevereiro, o Conferência Episcopal da África Ocidental RECOWA exortou ainda os governos a trabalharem juntos para estabelecer um Tratado para regular as atividades corporativas e garantir o direito ao consentimento livre, prévio e informado, com vistas à coesão social.

Estiveram presentes em Genebra mais de 200 representantes da sociedade civil de todo o mundo, enquanto mantinham contato com muitos outros em seus países de origem. Um número crescente de vítimas de abusos corporativos, defensores dos direitos humanos e a sociedade civil estão pedindo um Tratado da ONU para ajudar a eliminar as lacunas globais de responsabilidade e proteção e acabar com os contínuos abusos dos direitos humanos corporativos.

As agências da CIDSE têm estado ativamente envolvidas no desenvolvimento de Planos de Ação Nacionais (NAPs) sobre negócios e direitos humanos em estados como Bélgica, França, Alemanha, Irlanda, Itália, Suíça e Reino Unido. Os processos do NAP aumentaram a conscientização do público, dentro dos governos e parlamentos, e alguns contêm elementos positivos. Ao mesmo tempo, os NAPs atuais apresentam lacunas, limites e deficiências claras no que diz respeito a medidas concretas para avançar na devida diligência vinculativa dos direitos humanos, melhorar o acesso à justiça, reconhecer as obrigações extraterritoriais dos Estados e a primazia dos direitos humanos sobre os acordos de comércio e investimento. Por exemplo, o Reino Unido foi o primeiro país a publicar um Plano de Ação Nacional sobre Empresas e Direitos Humanos, mas não atualizou seu NAP desde maio de 2016. Um Tratado cobrindo os pontos destacados no texto preliminar revisado melhoraria significativamente as políticas e processos nacionais até o momento para implementar os Princípios Orientadores da ONU. 

The 5th as conclusões e recomendações da sessão confirmaram os próximos passos em direção a um segundo texto preliminar revisado, incluindo apresentações escritas e consultas. Desenvolvimentos recentes demonstram que uma ação global é urgentemente necessária, destacando como o Tratado pode contribuir das seguintes maneiras: [1]

1. Proteger mulheres e homens que defendem os direitos humanos e o meio ambiente
Em dezembro, o Relator Especial da ONU para Direitos Humanos, Substâncias Perigosas e Resíduos, Baskut Tuncak, fez uma visita ao Brasil. Em suas descobertas preliminares, [2] o Relator Especial destacou o rompimento das duas barragens de rejeitos de minas em 2015 (Mariana) e 2019 (Brumadinho). O primeiro foi operado por uma joint venture da Vale e BHP Billiton: seu colapso matou 18 pessoas e impactou a vida de mais de três milhões de outras, incluindo comunidades indígenas e outras. A segunda, também envolvendo a Vale, matou quase 300 pessoas. “Depois de anos de negação por parte do governo e das empresas envolvidas, os impactos da exposição à lama tóxica do desastre de 2015 agora são visíveis e continuam a estar ligados a problemas de saúde, e ainda assim as empresas continuam a abusar de sua influência para prevenir a saúde e informações de segurança de ver a luz do dia. ” Ele também condenou a criminalização e os ataques a pessoas que lutam bravamente para defender seus direitos à vida, à saúde e a um meio ambiente limpo. Apenas quatro meses antes do rompimento da barragem de Brumadinho em 2019, o auditor alemão TÜV SÜD confirmou a segurança da barragem quando sua subsidiária brasileira emitiu uma declaração de estabilidade. Em outubro, cinco dos afetados, o Centro Europeu de Direitos Constitucionais e Humanos (ECCHR) e MISEREOR arquivaram queixas contra a TÜV SÜD e um de seus funcionários, por homicídio negligente, suborno privado, causando inundação por negligência e violação dos deveres de supervisão. A reivindicação é apoiada pelas organizações brasileiras Associação Comunitária da Jangada e Articulação Internacional de Atingidos pela Vale. Em janeiro, promotores estaduais brasileiros acusaram o ex-presidente-executivo da Vale e outras 15 pessoas (10 que trabalharam para a Vale e cinco para a TÜV SUD) de homicídio. Além disso, Vale e TÜV SUD foram acusados ​​de crimes ambientais. Existem 87 outras barragens de rejeitos a montante de alto risco no Brasil, 10 delas de propriedade da Vale. Este design é usado por muitas empresas em todo o mundo, incluindo no Canadá e na Austrália.

A população local que se opõe pacificamente a projetos de investimento em grande escala que prejudicaria seu meio ambiente, cultura e meios de subsistência, incluindo o acesso à terra e à água, está sendo ameaçada e morta. Só em 2018, pelo menos 247 pessoas em todo o mundo foram mortas por proteger suas terras, meio ambiente e comunidades de indústrias globais como mineração, extração de madeira e agricultura. [3] Muitos desses defensores são defensores indígenas. Também sabemos que as mulheres defensoras dos direitos humanos são alvos de formas específicas de gênero.

Como agências católicas de desenvolvimento, continuamos extremamente preocupados com as ameaças atuais às organizações e comunidades parceiras em regiões ricas em recursos. Portanto, acolhemos os Artigos 4.9 e 4.15 do projeto revisado, que reforça o reconhecimento do papel dos defensores dos direitos humanos e do meio ambiente, essenciais para a implementação dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável e da Agenda 2030.

  • Medidas adequadas e eficazes para proteger os defensores deve ser especificado, por exemplo, adotando disposições legislativas que proíbam a interferência, inclusive por meio do uso de forças de segurança públicas ou privadas, nas atividades de qualquer pessoa que pretenda exercer seu direito de protestar pacificamente e denunciar abusos vinculados a atividade; abster-se de leis restritivas e estabelecer medidas específicas para proteger contra qualquer forma de criminalização e obstrução ao seu trabalho, incluindo violência específica de gênero; e investigação e punição completa, rápida e independente de ataques e intimidação de defensores dos direitos humanos. As ameaças e danos específicos vividos por mulheres os defensores dos direitos humanos devem ser aprofundados no artigo 4.9. 


2. Proteger os direitos dos trabalhadores e das comunidades, evitando desastres devido a negligências corporativas
Apenas quatro meses antes da falha da barragem de Brumadinho em 2019, o auditor alemão TÜV SÜD confirmou a segurança da barragem quando sua subsidiária brasileira emitiu uma declaração de estabilidade. Em outubro, cinco das pessoas afetadas, o Centro Europeu de Direitos Constitucionais e Humanos (ECCHR) e MISEREOR apresentaram queixas contra a TÜV SÜD e um de seus funcionários, por homicídio negligente, suborno privado, causando inundação por negligência e violação dos deveres de supervisão. A reivindicação é apoiada pelas organizações brasileiras Associação Comunitária da Jangada e Articulação Internacional de Atingidos pela Vale. Em janeiro, promotores estaduais brasileiros acusaram o ex-presidente-executivo da Vale e outras 15 pessoas (10 que trabalharam para a Vale e cinco para a TÜV SUD) de homicídio. Além disso, Vale e TÜV SUD foram acusados ​​de crimes ambientais. Existem 87 outras barragens de rejeitos a montante de alto risco no Brasil, 10 delas de propriedade da Vale. Este design é usado por muitas empresas em todo o mundo, incluindo no Canadá e na Austrália.

A experiência mostra que é muito difícil construir casos internacionais envolvendo várias empresas que se relacionam com abusos de direitos humanos. Mesmo quando um único caso chega aos tribunais, pode levar muitos anos para chegar a um veredicto. Se levarmos a sério a proteção dos defensores dos direitos humanos, temos que lidar com a impunidade, especialmente quando os crimes estão relacionados às atividades de estruturas corporativas que ultrapassam as fronteiras nacionais. Todas as empresas precisam ser responsáveis ​​se seus investimentos e operações colocarem as pessoas em risco. Se as empresas e investidores souberem que existe uma estrutura clara para responsabilidade legal, seja qual for o país em que operem, isso garantirá que eles considerem adequadamente os riscos ambientais e de direitos humanos. Como mostram os debates sobre cadeias de valor globais, a ênfase em atividade transnacional das empresas continua sendo importante, pois a experiência mostra que é aqui que enfrentamos os maiores desafios e lacunas de responsabilidade: estruturas comerciais complexas, restrições jurisdicionais, sistemas jurídicos divergentes e níveis de aplicação, resultando em empresas capazes de evitar a responsabilidade legal.

Em todo o mundo, formuladores de políticas, líderes empresariais, líderes da Igreja, acadêmicos, ativistas e cidadãos estão apoiando mudanças legislativas para acabar com práticas corporativas irresponsáveis. Há um momento crescente na Europa e além para a introdução de direitos humanos obrigatórios e due diligence ambiental para as empresas em suas operações e cadeias de valor globais: reformas e debates legislativos estão avançando na Holanda, Alemanha, Finlândia, Espanha, Bélgica, Luxemburgo, Suécia, Dinamarca, Áustria e a nível da UE; Suíça, Noruega, Reino Unido e também Canadá. Esses desenvolvimentos nacionais e regionais devem fornecer maior apoio político para avançar em paralelo com os trabalhos relacionados com o Tratado.

  • União Européia: Em fevereiro, a Comissão da UE publicou seu estudo sobre os requisitos de devida diligência na cadeia de abastecimento, com opções que incluem regulamentação. Discussões e iniciativas relacionadas também estão em andamento no Parlamento Europeu. Em janeiro, a Confederação Europeia de Sindicatos (CES) publicou o seu posição para uma diretiva européia sobre due diligence obrigatória em direitos humanos. E em outubro passado, a Comissão das Conferências Episcopais da União Europeia (COMECE) chamado a UE a adotar legislação vinculativa e eficaz em matéria de devida diligência sobre direitos humanos. 
  • França: Está em andamento uma avaliação para avaliar o estado de implementação do dever da lei de vigilância após um ano.
  • Países Baixos: Após a aprovação de uma lei de due diligence em trabalho infantil em 2019, o governo estabeleceu um processo de desenvolvimento de políticas que visa redesenhar sua política de Conduta Empresarial Responsável, incluindo amplas medidas obrigatórias de due diligence. Há também discussões em andamento no Parlamento para propor iniciativas para essa lei.
  • Alemanha: Os Ministérios do Trabalho e da Cooperação e Desenvolvimento Econômico se comprometeram conjuntamente a desenvolver uma proposta para uma lei alemã sobre a cadeia de suprimentos. O anúncio foi feito depois que nem 20% das empresas pesquisadas sob o procedimento de monitoramento do NAP até agora foram consideradas como realizando medidas de due diligence.
  • Finlândia: O governo está conduzindo uma pesquisa e um estudo judicial com o objetivo de adotar uma lei nacional e se comprometeu a promover a legislação no nível da UE, destacado em sua Agenda de Ação da Presidência da UE de dezembro. 
  • Itália: Em novembro, o Human Rights International Corner (HRIC) e a FIDH emitiram o estude "Decreto Legislativo Italiano No. 231/2001: um modelo para a legislação obrigatória de Due Diligence dos Direitos Humanos?”, Que analisa o Decreto Legislativo Italiano 231/2001, pois fornece responsabilidade penal e administrativa para as empresas.
  • Reino Unido: Uma revisão independente da Lei da Escravidão Moderna de 2015 concluiu em maio de 2019 que os requisitos de relatório não haviam conduzido mudanças suficientes nas cadeias de suprimentos e recomendou que o governo do Reino Unido reforçasse e estendesse a lei e aumentasse as penalidades por não conformidade. A sociedade civil e os sindicatos lançaram uma campanha por um dever legal para as empresas respeitarem os direitos humanos e o meio ambiente.
  • Suíça: Os debates continuam sobre uma proposta legal parlamentar e uma popular Iniciativa Empresarial Responsável, com a decisão final do Parlamento agendada para março de 2020.
  • Canadá: O governo canadense liderou consultas com empresas e sociedade civil sobre uma possível nova legislação de devida diligência. A sociedade civil canadense e os sindicatos são defendendo para uma legislação abrangente de devida diligência sobre direitos humanos.
  • Noruega: Em novembro, um comitê de especialistas nomeado pelo governo publicou um projeto de ato na transparência da cadeia de suprimentos, focada nos direitos dos consumidores, no dever de conhecer e na devida diligência.

Como organizações fortemente envolvidas a nível nacional e europeu, a CIDSE e seus membros experimentaram como os desenvolvimentos nacionais e europeus podem ser grandemente fortalecidos por avanços em nível global no Tratado da ONU. As medidas jurídicas nacionais e europeias já em vigor, ou em desenvolvimento, também apontam para os tipos de disposições que o Tratado das Nações Unidas poderia ajudar a estender a nível mundial, criando condições equitativas para as empresas e melhorando o nível de proteção dos direitos humanos para todos. 

O projeto revisado do Artigo 5 sobre Prevenção é uma parte essencial do instrumento que estabelece os requisitos mínimos para as empresas em matéria de direitos humanos obrigatórios e diligência ambiental. Isso apoiará os esforços que os estados já fizeram em relação aos Princípios Orientadores da ONU e os tornará muito mais eficazes, fornecendo requisitos claros para a ação das empresas em todo o mundo, bem como apoiando medidas de proteção locais e regionais.

É necessário fortalecer explicitamente a redação do direitos humanos e due diligence ambiental no texto do projeto de instrumento. A devida diligência em direitos humanos não deve se limitar a relações contratuais: a linguagem das “relações comerciais” refletiria melhor a natureza das atividades corporativas e também a abordagem dos Princípios Orientadores da ONU. Os aspectos de remediação da devida diligência em direitos humanos também precisam ser muito mais claros.

As referências aos direitos humanos e às avaliações de impacto ambiental devem ser mantidas e os aspectos ambientais da devida diligência em direitos humanos fortalecidos. A menção de aspectos ambientais é essencial, já que muitas de nossas organizações parceiras enfrentam ameaças ao trabalhar para garantir a proteção dos direitos humanos relacionados ao meio ambiente. A proteção de nossa Casa Comum e de seu povo está fundamentalmente ligada e deve ser refletida neste instrumento juridicamente vinculativo.

  • Artigo 5.3d em prevenção não deve se limitar a relações contratuais, mas abranger todos os impactos sobre os direitos humanos que as empresas possam causar, contribuir ou estar diretamente vinculadas por meio de suas operações, produtos ou serviços. O Artigo 5.3b deve incluir atenção especial àqueles que defendem os direitos humanos e o meio ambiente, e 5.3a deve incluir avaliações impactos de gênero. 
  • Arte. 6.6 em responsabilidade deve se referir explicitamente a todos relações comerciais estabelecidas, incluindo aqueles relacionados a fornecimento, exportação, serviços, seguros, finanças e investimentos; ao invés de apenas relações contratuais. A responsabilidade também deve ser aplicada quando os abusos resultarem da falha no cumprir os requisitos de due diligenceResponsabilidade administrativa é necessário para outros crimes que não crimes.

3. Garantir que o comércio e o investimento possam apoiar os direitos humanos e um ambiente saudável
Oito meses após o “Acordo de Princípio” sobre um acordo comercial Entre o UE e Mercosul foi publicado em junho de 2019, a Avaliação de Impacto de Sustentabilidade ainda não está disponível, embora o acordo seja apresentado ao Conselho da UE e ao Parlamento Europeu para aprovação em outubro de 2020. O acordo impulsionaria as exportações do Mercosul de carne bovina, etanol a partir da cana-de-açúcar e soja , aumentando as cotas de importação e reduzindo as tarifas de exportação de soja. Isso pode levar a maiores riscos de grilagem de terras, abusos de direitos humanos, derrubada de florestas e incêndios na Amazônia, em detrimento dos povos indígenas. A Suíça e a Noruega também concluíram negociações substanciais sobre um acordo com o Mercosul, enquanto as negociações com o Canadá também estão avançando.
A nível internacional, o Grupo de Trabalho III da Comissão das Nações Unidas para o Direito do Comércio Internacional (UNCITRAL) realizou a sua 38ª sessão reiniciada entre 20 e 24 de Janeiro em Viena para discutir a reforma da resolução de litígios entre investidores e estado (ISDS). Paralelamente, a campanha de um ano “Direitos para as pessoas, regras para corporações - Acabar com o ISDS” por grupos da sociedade civil, sindicatos e movimentos sociais foi concluída com 847.000 cidadãos da UE que assinaram uma petição pedindo aos líderes da UE que promulgassem novas regras para as empresas respeitar os direitos humanos e o meio ambiente; promover um Tratado da ONU forte para acabar com a impunidade corporativa transnacional; e retirar a proposta da UE de um Tribunal Multilateral de Investimentos e acabar com os privilégios do ISDS para os investidores
[4].

Os acordos de comércio e investimento estão reforçando um desequilíbrio de poder e legal, incluindo o acesso privilegiado de atores corporativos a tribunais de arbitragem por meio do Mecanismo de solução de controvérsias entre investidores e Estados, permitindo que as empresas tomem decisões sobre a regulamentação nacional sobre direitos trabalhistas, saúde e padrões ambientais, enquanto comunidades cujas direitos foram abusados ​​luta para ter acesso à justiça. 

O artigo 12.6 do texto revisado melhora a exigência de que outros acordos relevantes dos Estados devem ser compatíveis com as obrigações de direitos humanos ao abrigo do Tratado. No entanto, não estabelece claramente a primazia dos direitos humanos sobre as regras de comércio e investimento. Além disso, a CIDSE apóia a exigência de abolir os mecanismos de solução de controvérsias entre investidores e Estados. O tratado deve esclarecer que, enquanto existir o ISDS, ele deve respeitar a primazia dos direitos humanos sobre os interesses dos investidores.

  • A cláusula específica sobre o primado das obrigações em direitos humanos, especialmente em acordos de comércio e investimento, [5] esclareceria melhor essa relação, agregando segurança regulatória e um ambiente jurídico estável. Essa cláusula deve, inter alia, exigem avaliações de impacto em direitos humanos e sustentabilidade antes do início das negociações comerciais e uma obrigação clara de garantir o primado das obrigações em direitos humanos nos mecanismos de solução de controvérsias do Estado investidor (ISDS), desde que existam

Convidamos todos os Estados a considerar o projeto revisado e a formular propostas construtivas para posterior elaboração no segundo esboço revisado. Entendemos que é fundamental avançar nas negociações do texto do Tratado, realizando avanços significativos em linha com a urgência de inúmeras situações. A referência final deve ser o potencial das disposições do Tratado e sua implementação efetiva para ajudar a acabar com os abusos dos direitos humanos relacionados às empresas.

Apelamos aos Estados engajar construtivamente, com espírito de determinação e senso de responsabilidade pelo bem comum, avançar até que seja cumprido o “mandato para elaborar um instrumento internacional juridicamente vinculativo” estabelecido pela Resolução 26/9 do Conselho de Direitos Humanos da ONU.  Como agências de desenvolvimento católicas envolvidas ativamente no desenvolvimento de políticas e leis sobre negócios e direitos humanos, continuaremos a oferecer conselhos e apoio a nossos governos e outros membros do Conselho de Direitos Humanos para ajudá-los a atingir esse importante objetivo.


[1] Ver também o abrangente Envio do CIDSE para os 5th Sessão, Outubro 2019.
[2] Declaração de fim de visita pelo Relator Especial das Nações Unidas para os Direitos Humanos e Substâncias e Resíduos Perigosos, Baskut Tuncak em sua visita ao Brasil, de 2 a 13 de dezembro de 2019. Ver também https://www.ohchr.org/EN/NewsEvents/Pages/DisplayNews.aspx?NewsID=25430&LangID=E.
[3] Análise Global de Frontline Defenders 2018.
[4] www.stopisds.org. Os membros da campanha publicaram um anúncio no Financial Times Edição na Europa em 6 de fevereiro: “847.000 cidadãos exigem ação dos líderes da UE e do Presidente Von der Leyen”, com as demandas da campanha.
[5] Garantindo a primazia dos direitos humanos nas políticas de comércio e investimento: cláusulas-modelo para um Tratado da ONU sobre corporações transnacionais, outras empresas e direitos humanosMarkus Krajewski, Universidade de Erlangen-Nürnberg, 2017





Compartilhe esse conteúdo nas mídias sociais