“AMAZÔNIA FRÁGIL” - CIDSE
Foto de Ana Palacios / CIDSE e REPAM da Exposição de Fotos "Amazônia Frágil"

“AMAZÔNIA FRÁGIL”

Exposição de fotos de Ana Palacios. Produzido pelo CIDSE em colaboração com REPAM, co-financiado pela União Europeia.
ESTA EXPOSIÇÃO está pronta para viajar e mostrar em qualquer lugar que nossa organizações membros decidir. Os textos da exposição de fotos estão prontos para uso em inglês e espanhol. Por favor, se você estiver interessado ou tiver alguma outra pergunta, entre em contato com ogereau (at) cidse.org.
DOSSIÊ GERAL DE EXPOSIÇÃO DE FOTOGRAFIAS (em PDF) (Espanhol / Italian/ Inglês)

O Papa Francisco recebe o dossiê de exposição fotográfica “Fragile Amazon” de Josianne Gauthier e Pirmin Spiegel, diretora da Misereor. Foto © Vatican Media

“A Amazônia é incrivelmente poderosa, mas maravilhosamente vulnerável. O rio, a floresta e o povo são uma prova da criação. Com que facilidade abusamos, negligenciamos, destruímos e descartamos o que é mais precioso, mais essencial. Através dessas imagens, podemos ouvir as vozes da Amazônia e ficar com elas. Somos chamados a questionar nossas escolhas, nossos privilégios e lembrar que estamos todos interconectados ”.

Josianne Gauthier, Secretária Geral CIDSE

“A região da Pan-Amazônia é uma fonte de vida no coração da Igreja e do mundo. Sua presença particular, espiritualidades, eco-biodiversidade e beleza nos falam do mistério da criação de Deus. Por outro lado, o modelo de cultura descartável está ameaçando tudo o que canta vida e esperança na região. É hora de agir em nome da vida e da esperança ”.

Mauricio López, Secretário Executivo, REPAM (Rede Eclesiástica Pan-Amazônica)
Vista da margem do rio Amazonas de Caballococha. Caballococha. Departamento de Loreto. Peru

“Louvado seja, Senhor, por sua obra maravilhosa em seus povos amazônicos e por toda a biodiversidade que essas terras abraçam! (…) Eu queria visitá-lo e ouvi-lo, para que possamos ficar juntos, no coração da Igreja, compartilhar seus desafios e reafirmar com você uma escolha sincera para a defesa da vida, a defesa dos terra e a defesa das culturas ”.

Encontro do Papa Francisco com os Povos Indígenas da Amazônia janeiro 2018, Puerto Maldonado (Peru)

O Rio Amazonas é como uma artéria do continente e do mundo, flui como veias para a flor e a fauna do território, como uma fonte para seus povos, suas culturas e suas expressões espirituais.

A BACIA DO RIO AMAZÔNICO E AS FLORESTAS TROPICAIS AMBIENTAIS ALIMENTAM O SOLO E REGULAMENTAM ATRAVÉS DA RECICLAGEM DE UMIDADE, OS CICLOS DE ÁGUA, ENERGIA E CARBONO A NÍVEL PLANETÁRIO. A AMAZÔNIA É ESSENCIAL PARA A DISTRIBUIÇÃO DE CHUVA EM OUTRAS REGIÕES DISTANTES DA AMÉRICA DO SUL E CONTRIBUI PARA OS GRANDES MOVIMENTOS DE AR ​​AO REDOR DO PLANETA. MAS TAMBÉM É A SEGUNDA ÁREA MAIS VULNERÁVEL DO PLANETA QUANDO CHEGA AS MUDANÇAS CLIMÁTICAS CAUSADAS PELOS HUMANOS: DESMATAMENTO, INCÊNDIO, DISTÚRBIO TERRESTRE E POLUIÇÃO SÃO TUDO A UM PONTO DE RETORNO.

A busca do povo indígena da Amazônia por “vida em abundância” é incorporada no que chamam de vida (boa vida): vivendo em harmonia com si mesmo, com a natureza, com a humanidade e com o ser supremo. NO ENTANTO, A SITUAÇÃO É CRÍTICA E ESTES POVOS INDÍGENAS SOFREM A VIOLAÇÃO DE SEUS DIREITOS, POR QUE SEUS TERRITÓRIOS SÃO DEMARCADOS SEM RESPEITO AO SEU DIREITO AO CONSENTIMENTO LIVRE, PRÉVIO E INFORMADO (FPIC). INDÚSTRIAS E EMPRESAS EXTRACTIVAS, muitas vezes coniventes com governos locais e nacionais.

O SÍNODO PAN-AMAZÔNICO, NASCIDO DO ENÍCÍCLICO “LAUDATO SI”, É UM ESPAÇO EM QUE O PAPA BUSCA AFIRMAR A IMPORTÂNCIA DA AMAZÔNIA PARA O FUTURO DO PLANETA E SOLICITAR COERÊNCIA, PROXIMIDADE E COMPROMISSO DA IGREJA TODO: CONTINUAR OFERECENDO A VIDA PARA ORDENAR MAIS VIDA.

Dados importantes

A região amazônica compreende partes dos diferentes países da 9: Brasil, Bolívia, Peru, Equador, Colômbia, Venezuela, Guiana, Suriname e Guiana Francesa. • Ela abrange uma área de cerca de 8 milhões de quilômetros quadrados. • A região da Pan-Amazônia é o lar de milhões de pessoas da 35, das quais cerca de 3 são povos indígenas. • A população indígena é composta por comunidades 390, das quais a 137 é isolada. • Alguns idiomas 240 classificados em famílias de idiomas 49 são falados em a área. • Todos os anos, o rio Amazonas libera 15% do suprimento total de água doce do planeta no Oceano Atlântico. • Metade das florestas tropicais do mundo estão localizadas na Amazônia e abrigam 15% da biodiversidade da Terra. • Um aumento de 4ºC nas temperaturas e desmatamento de 40% são definidos como os limiares que levariam à desertificação da Amazônia. • Agora (2019) já existe entre 15% - 20% de desmatamento.

“Amazônia frágil” Exposição de fotos de Ana Palacios. Produzido pelo CIDSE em colaboração com REPAM, co-financiado pela União Europeia

Diosjhaimer, um aluno da 7ª série, posa em frente a um mural que narra a história dos clãs Tikuna em uma das paredes do internato indígena de San Francisco de Loretoyaco, São Francisco. Puerto Nariño. Departamento do Amazonas. Colômbia

“A região da Pan-Amazônia está cheia de selvas e rios e é o lar de milhões de pessoas cujo modo de vida se baseia nos recursos obtidos na floresta: água, ar, sol, terra e tudo o que ela nos oferece - material e espiritual - sustento. O modo de vida na Amazônia contrasta com o modelo de acumulação capitalista que está ameaçando a vida no planeta. O consumismo desenfreado e a retórica do desenvolvimento levam à apropriação de terras e as pessoas são expulsas de suas vastas terras para facilitar o extrativismo, a industrialização - megaprojetos e agronegócios -, mercantilização e a financeirização desses recursos naturais. Quando crianças, os jovens de hoje costumavam escalar árvores colher frutas e aprender a remar e permanecer em silêncio enquanto pescava em suas canoas. Hoje, eles aprendem sobre o mundo através de suas telas, assim como seus avós aprenderam sobre isso através de viajantes e caçadores de fortunas. Os jovens de hoje sonham com educação de qualidade em suas escolas e com universidades próximas, para que não precisem migrar. Esses sonhos abrigam esperança de mudança e também frustração, medo e tristeza devido ao estado empobrecido de suas comunidades. Os jovens de hoje serão aqueles que criarão oportunidades para uma vida decente em seus territórios ”.

María Teresa UrueñaCoordenadora, Serviço de Jesuíta Pan-Amazônica (SJPAM) do Departamento de Sensibilização, Educação e Treinamento - CPAL

O artista indígena Santiago Yahuarcani exibe seu trabalho “A selva amazônica está morrendo” Caballococha. Departamento do Amazonas. Peru

“Nesta peça, tentei retratá-la. É intitulado "A selva está morrendo". Tentei distinguir entre dois espaços, o da direita é onde há poluição, com a serra elétrica, o machado, a contaminação por venenos usados ​​para matar plantas e insetos, fábricas, empresas de petróleo ... As árvores estão secas. Os guindastes estão derrubando árvores, vemos derramamentos de óleo, lixo ... Hoje em dia não sabemos manejar animais, eles estão ficando escassos. Todos os governos pensam que estão lucrando, acham que a selva está cheia de dinheiro. É por isso que você vê as contas que escrevem neles 'dólares' ou 'Washingtons'. Essa é a face da Amazônia; ela está morrendo É o rosto de uma mulher à beira da morte. Os povos nativos a estão alimentando. Eles estão tentando dar o remédio para impedir que a selva morra. Um xamã está cantando 'icaros' para protegê-la, para que ela não morra. Os outros xamãs também estão tentando sustentar a mãe natureza. Outro xamã se transformou em um tigre para lutar pela sobrevivência da mãe selva. É uma maneira de simbolizar a luta indígena contra a depredação perpetrada pelos governos. O sol está tão forte agora ... Antigamente, o sol não queimava. Quando éramos crianças, você podia trabalhar sem camisa e não sentir o sol. Hoje, porém, você não pode ficar ao sol por meia hora sem se queimar. E isso nos faz pensar no que há de errado com a natureza, por que o sol queima tão quente. A idéia é simplesmente preservar as tradições que nossos avós nos ensinaram ”.

Santiago YahuarcaniPintor e Escultor. Líder do povo Murui e Bora no rio Ampiyacú

Crianças brincando nas margens do rio Igara Paraná, em São Francisco. Puerto Nariño. Departamento do Amazonas. Colômbia

“Precisamos promover políticas positivas, como oferecer incentivos ao reflorestamento a pequenos e grandes agricultores. Isso nos permitiria promover práticas agrícolas sustentáveis. Mesmo o turismo encorajador ajuda a proteger a selva. No passado, os jovens iam para o campo para trabalhar nas fazendas. Hoje alguns ainda o fazem, mas não é como costumava ser. Embora tenham um suprimento estável de alimentos, a consolidação do turismo criaria oportunidades de emprego para os jovens. Infelizmente, sem oportunidades de emprego, eles aceitam qualquer oferta e acabam se perdendo em outros mundos, como o tráfico de drogas, vendendo seus corpos ... Ao criar empregos no setor de turismo sustentável que ajuda a preservar o meio ambiente - mapeando e promovendo trilhas para caminhadas ou criando rotas de observação de aves - podemos impedir que os jovens recorram a essas fontes alternativas de vida muito prejudiciais ”.Marco Antonio

Guzmán Restrepo Diretor do Setor de Produção e Meio Ambiente da Unidade Municipal de Assistência Técnica Agrícola (UMATA).
Prefeitura de Puerto Nariño. Departamento do Amazonas. Colômbia

uliana Yucuna, idade 9, tocando no refeitório da Comunidade Monilla Amena, Monilla Amena. Resguardo Tikuna-Huitoto. Leticia. Departamento do Amazonas. Colômbia

“Organizamos conferências para discutir as repercussões sofridas por meninos, meninas e adolescentes recrutados em todo o país durante a guerra, e o objetivo dessas reuniões é dignificar essas vítimas de recrutamento forçado. A região amazônica cobre 42% do território de Colômbia, mas apenas 3.2% da população da Colômbia vive aqui. Em outras áreas do país, as pessoas viram a guerra na TV, mas na Amazônia experimentamos uma guerra de carne e osso, porque mais de XIXUMX% dos habitantes deste departamento foram vítimas do conflito armado.Talvez o mundo associe esse conflito a questões de narcotráfico e com um bando de bárbaros que se matam há anos. Para nós, existem problemas objetivos relacionados à reforma agrária que nunca foram realizados; problemas com o racismo; problemas com atitudes contra as mulheres, contra a comunidade LGTB ... Essas construções culturais geraram muita violência durante a guerra. Muitas dessas dinâmicas estão inseridas na sociedade e, é claro, nos agentes armados que estavam ativos em todo o país ”.

Jorge Pulecio Delegado Regional da Comissão da Verdade Macroamazônia. Colômbia
A Comissão da Verdade é uma organização oficial do Estado que busca esclarecer os padrões e causas que explicam o conflito armado interno de maneira a respeitar os direitos das vítimas e da sociedade de conhecer a verdade, promovendo o reconhecimento do que aconteceu e a coexistência pacífica entre os países. territórios e ajudando a estabelecer as bases para impedir que o conflito ressurga por meio de um processo participativo de base ampla e plural, com o objetivo de construir uma paz estável e duradoura.

Rihanna em sua sala de aula na Instituição Educacional José Antonio Galán, em São Francisco, São Francisco. Puerto Nariño. Departamento do Amazonas. Colômbia

“O papel das mulheres indígenas é comprometido porque elas são capturadas na ambiguidade do chamado 'desenvolvimento'.” A luta das mulheres indígenas é invisibilizada; foi silenciado pelo conflito. Eles foram resistentes diante de múltiplas formas de violência durante o século passado e o atual. Essa invisibilização ainda pode ser percebida em idiomas, culturas, culinária, celebrações rituais e em homens e mulheres sábios. Embora tenham se mostrado resilientes diante de múltiplas formas de violência no século passado e no presente, a luta das mulheres indígenas permanece silenciada pelo conflito e essas mulheres são invisibilizadas em aspectos como idiomas, culturas, culinária e celebrações rituais. O grande desafio é garantir que o direito das mulheres líderes de se expressar livremente em defesa da vida seja reconhecido e protegido, que é representado no território como fonte de autonomia, de autogovernança, como espaço para sobreviver em uma relação mutuamente equilibrada com a mãe natureza. As políticas educacionais tendem a ser militaristas, focadas no mundo do trabalho capitalista e na escravidão do outro (empresas, ONGs etc.). Eles assumem o tempo e o espaço dos jovens, sem permitir que desfrutem silenciosamente do ritmo da vida. Isso produz agrônomos que não desejam tentar entender a dinâmica produtiva dos povos indígenas. É uma pedagogia obsoleta encaixotada em um espaço limitado, esquecendo que o processo de aprendizado de meninos, meninas e adolescentes é diverso e envolve pessoas de diferentes gerações ”

Anitalia Pijachi Kuyuedo Ocaina-UItoto ou Líder Indígena Murui dos Janayari (“Jaguar”)
Formação em Etno-Educação. Membro da Comissão da Verdade. Leticia, Colômbia

Cópia Ana Palacios / CIDSE & REPAM
Meninas estudando nos corredores do internato indígena de São Francisco de Loretoyaco, São Francisco. Puerto Nariño. Departamento do Amazonas. Colômbia

“A exploração sexual e o trabalho escravo são duas formas de tráfico humano que identificamos nessas comunidades na Amazônia. As redes de tráfico conhecem bem o estado vulnerável dos jovens - meninos, meninas e adolescentes - neste território. Eles sabem que muitos deles não conseguem encontrar outra alternativa em suas comunidades e que, no melhor dos casos, terminam a escola apenas para encontrar barreiras para continuar seus estudos e direcionar suas vidas para um projeto de longo prazo. Essas redes de exploração são pessoas que frequentemente visitam a área ou moram lá; eles estão familiarizados com a situação e criam organizações de pequeno ou médio porte para capturar, transferir, abrigar e explorar [suas vítimas]. Isso não é recrutamento forçado ou obrigatório, mas é sutilmente disfarçado de 'patrocínio' e vestido como oportunidades, muitas vezes mesmo com o consentimento da família, embora a família não tenha consciência do alcance total do que isso implica. Essas situações são legitimadas, naturalizadas e desculpadas. Trabalhar durante vários meses em uma serraria ou raspar coca em uma plantação são oportunidades reais de trabalho, e é por isso que muitas vezes isso não é visto como um problema na comunidade, mas como uma forma de emprego".

Nathalia Forero RomeroCoordenadora da Rede de Defensores da Vida e membro da
Rede para combater o tráfico de pessoas na fronteira tripla

Mayoruna crianças. Casa do Índio (CASAI) Atalaia do Norte. Departamento do Amazonas. Brasil

“CASAI ou Casa del Indio, é um espaço que oferece apoio, um ponto de referência. Nas aldeias, eles têm apenas atenção primária à saúde. Quando as pessoas precisam de tratamento mais específico, elas vêm aqui. Organizamos para que eles se inscrevam no sistema de saúde brasileiro. Lidamos com toda a papelada para os hospitais; e, enquanto esperam, eles também recebem tratamento aqui. É composto por quatro casinhas onde abrigamos as várias comunidades:

Kulina, Marubos, Kanamarí e Mayorunas ”.Deocleciano Sousa Chaves Peixoto Diretor, Casa del Indio (CASAI) Atalaia do Norte. Brasil

Aryana Adali tomando banho no rio TacanaMonilla Amena. Resguardo Tikuna-Huitoto. Leticia. Departamento do Amazonas. Colômbia

“O mundo precisa cuidar da Amazônia, porque é o nosso Lar Comum. É preciso injetar dinheiro nessa área para proteger o meio ambiente. Os governos devem garantir o que for necessário para proteger os povos indígenas e suas culturas e seus territórios, biodiversidade e diversidade social. Se seus habitantes não têm oportunidades econômicas, eles continuarão a deteriorar o meio ambiente a serviço das empresas madeireiras ou do tráfico de drogas, a fim de sobreviver e evitar serem forçados a migrar. Mas, se lhes for oferecido um meio de subsistência, eles se comportarão de forma responsável e protegerão o território, respeitando os direitos das pessoas e da terra, baseados em uma visão de mundo inerente à sua tradição ”.

Edelmira PintoCoordenadora do Internato Indígena San Francisco de Loretoyaco.
Puerto Nariño. Departamento do Amazonas. Colômbia

Preparação ritual de tabaco e coca. Akile Arango, do Murui PeopleMonilla Amena. Resguardo Tikuna-Huitoto. Leticia. Departamento do Amazonas. Colômbia

“Usamos folhas de coca, mandioca doce e tabaco para controlar a dor. Quando nos sentimos fracos ou doentes, nos conectamos com Deus Almi-ghty através dessas ofertas. Invocamos o espírito de Deus e os espíritos de nossos antepassados, para que eles nos mostrem o caminho, nos dêem força e nos ajudem a levantar. É assim que lidamos com a dor e a vencemos. Para nós, a coca é uma planta sagrada; o uso dessa planta pelos ocidentais é o tráfico de drogas. Para nós, a coca deve ser usada para trabalhar e curar. Não é abusado como vício. Faz parte da nossa espiritualidade ”.

Juan Enocaisa GuidoneProfessor e Líder Indígena do Povo Murui no El Estrecho
Comunidade, Reserva Guepí, Distrito Teniente Manuel Clavero, Departamento de Alto Putumayo, Peru

“Elaboramos propostas para defender nossos direitos, garantir acesso a uma educação indígena intercultural de qualidade com currículos educacionais que respeitem os idiomas nativos e garantir o acesso ao sistema de saúde. Trabalhamos para fortalecer as organizações indígenas para garantir que os recursos públicos sejam gerenciados efetivamente em seus territórios e que são as próprias comunidades indígenas que administram esses recursos. Essas políticas parecem boas no papel, mas não são implementadas porque as instituições encarregadas de executá-las são enfraquecidas pela corrupção, porque não há vontade política e porque existem conflitos de interesses. Nosso trabalho é ensinar as mulheres indígenas sobre seus direitos, soberania alimentar, alimentação saudável e gozo de seus direitos econômicos, sociais e culturais. Nós os treinamos para incorporar objetivos que visam preservar sua cultura e recursos naturais em seus projetos sob a perspectiva da ecologia integral. Treinar essas mulheres é uma maneira de começar a aumentar a conscientização entre as famílias, garantindo que as famílias indígenas respeitem o direito à vida das crianças ”

.Any Kuiru Castro Coordenadora de mulheres, crianças, jovens e famílias da Organização dos Povos Indígenas da Amazônia Colombiana (OPIAC)
Ela é a única mulher Murui na Amazônia colombiana que se formou como advogada. Especializou-se em Gestão Governamental Sênior e possui mestrado em Estudos Políticos e Internacionais com uma tese premiada com base na resistência das mulheres indígenas durante a Violência em Cauchería.

Andrés Wadick em casa com seu neto Asafi, seu cunhado Pereira e seu sobrinho OrlandoAtalaia do Norte. Estado do Amazonas. Brasil

“Durante anos, sofremos os ataques de intrusos em nosso vale. Fomos invadidos por empresas madeireiras que estão destruindo a natureza, garimpeiros inescrupulosos e caçadores ilegais que estão esgotando os estoques. Nós respeitamos o ciclo da vida e eles não; eles estão destruindo tudo. As companhias de petróleo não respeitam a terra e estão poluindo nossos rios, prejudicando a saúde de seus habitantes. Isso não está apenas afetando o vale, está afetando toda a Amazônia e o planeta, porque esta é a casa de todos. Esse governo está nos apoiando em um canto. Está atacando violentamente nossos direitos, deixando-nos sem recursos para defender a floresta, cortando os orçamentos de educação e saúde. Muitas pessoas são forçadas a deixar essa terra porque não conseguem sobreviver. É isso que Bolsonaro quer para que ele possa explorar o vale à sua vontade. Ele também está desempoderando a FUNAI (Fundação Nacional do Índio), privando-a da maior parte de seu financiamento e minando sua capacidade de servir esse vasto território. O governo de Bolsonaro está nos aniquilando, e é por isso que é importante falar para que as pessoas saibam o que está acontecendo com os povos indígenas do Brasil e tomem algum tipo de ação ”.

Andrés Wadick Líder Indígena do Povo Mayoruna

Agradecimentos

Esta exposição é fruto de uma viagem internacional da mídia às fronteiras entre Colômbia, Peru e Brasil, organizada pela CIDSE e REPAM em julho 2019: Obrigado por confiar seus testemunhos: Abijan Fernández, Adán Martínez, Akile Abel Antonio Arango, Alberto Panichela, Alonso Arango, Andrés Wadick, Anitalia Pijachi, Bushe Matis, Capitán Absalón, Cravo Rufino Reis Marubo, Cravo Rufino Reis Marubo, Cristina Larraín, Cristina Larraín, Daniela Andrade, Deocleciano Sousa, Dominik Szkatula, Edelmira Pinto, Edilma Ramos, Edilma Ramos, Elver Isidio Viena, Ewerton Oliveira Reis Marubo Fany Kuiru, Felipe Da Costa Marubo, Fernei Pereira, Francisco Pinto, Gilberto Nascimento Doles Marubo, Iván Xunu Matis, Ivanés Favretto, Joaquín Humberto Pinzón, Jorge Pulecio, Josianne Gauthier, Juan Enocaisa, Liseth Escobar, Lorenzo Guzmán e Magnolia Parente Bush Matis, Manoel Barbosa da Silva Marubo, Manoel Barbosa da Silva, Marco Antonio Guzmán, Marcos Guzmán, Marcos Paulo Gonçalves Gonçalves Fortz Matses, Maria das Dores Ro drigues de Moura, Maria de Fátima Batista, Maria Emilia Kuche, Maria Teresa Urueña, Marta Barral, Marta Isabel González, Martha Alicia Reynoso, Mauricio López, Nathalia Forero, Nubia Stella Torres, Obispo Adolfo Zon, Padre Alfredo Ferro, Padre Valerio Sartor, Patricia Calderón, Patricia Calderón, Patricia Damancio, Paulo Dollis Barbosa da Silva Marubo, Ruth Chaparro, Sandra Vargas Dionísio Marubo, Santiago Yahuarcani, Tatiana Santana, Teolinda Bautista e Tumi Matisand a todos que nos receberam em suas casas e nos deram suas palavras.

DOSSIÊ GERAL DA EXPOSIÇÃO DE FOTOGRAFIAS (em PDF) (Espanhol /Italian/ Inglês)

OUTRAS FOTOS / EXEMPLOS do layout da Exposição

Vídeos do Amazon Fragile

Compartilhe esse conteúdo nas mídias sociais