Já vimos isso no terreno, devemos agir de fora e de fora - CIDSE

Nós vimos isso no chão, devemos agir do exterior e acima

"O atual governo brasileiro tem tentado minar os direitos humanos e as conquistas ambientais ... Diante disso, o Sínodo do Papa Francisco na região pan-amazônica é da maior importância."

José Batista Afonso é advogado da Comissão Pastoral da Terra (CPT) da diocese de Marabá, no Pará, Brasil. Ele foi convidado pela União Europeia a vir para a Europa como parte do prêmio de direitos humanos concedido pela UE à CPT de Marabá em reconhecimento ao trabalho que realiza para defender os direitos humanos. Nós o entrevistamos em nosso escritório durante sua visita.

Eu trabalho para o CPT como advogado e ativista. O CPT foi criado pela Igreja Católica e pela Conferência Nacional dos Bispos Brasileiros nos 1970s para promover e defender os direitos dos camponeses durante a ditadura militar. Eles também criaram outras comissões para defender de forma semelhante os direitos dos indígenas e dos trabalhadores. A maioria das equipes da CPT está localizada na região amazônica, onde apoiamos os camponeses na sua luta por ter acesso à terra, para garantir que eles possam manter suas terras e defender territórios conquistados. Também apoiamos os defensores dos direitos humanos e aqueles que ajudam a proteger a floresta e recebem ameaças de morte e estão em risco devido ao seu ativismo.

A região amazônica do Pará, onde trabalho, sofre com a expansão do agronegócio na floresta amazônica. A expansão de atividades como pecuária extensiva, exploração madeireira e soja causou sérios danos ambientais e desmatamento; levou à violação dos direitos dos camponeses; e colocar em risco os defensores dos direitos humanos que trabalham nessa área. O CPT realiza um monitoramento anual de conflitos nas áreas rurais desde os 1970s. Os dados coletados pelo CPT mostram que aproximadamente 30% de todos os conflitos registrados, incluindo mortes, ameaças de morte, despejos violentos, trabalho escravo ou outras formas de violação dos direitos humanos, ocorrem nas áreas de expansão do agronegócio.

Uma quantidade significativa de produtos - soja, minério, madeira, carne bovina e outros - da Amazônia brasileira é exportada para o mercado europeu por empresas multinacionais ou com sede na Europa. Portanto, é fundamental que a ONU e a UE - e outras instituições supranacionais que promovam a aplicação de tratados internacionais - garantam que as empresas que compram esses produtos cumpram os princípios básicos de proteção ambiental e direitos humanos em suas atividades comerciais. As Nações Unidas devem aplicar a definição de um conjunto de regras para garantir que as empresas se conscientizem e ajam de maneira responsável. A sociedade civil e os consumidores na Europa também devem mostrar às empresas que não desejam produtos que causam o desmatamento na Amazônia ou que violam os direitos à terra da comunidade local. Ao fazer isso, eles ajudarão a pôr fim a essas atividades destrutivas.

Atualmente, estamos enfrentando uma expansão incomparável do agronegócio, impulsionada pela mentalidade e pelas políticas do governo brasileiro em exercício. Eles minaram um conjunto de direitos humanos e realizações ambientais que foram garantidos com grande dificuldade em governos anteriores. Isso coloca em risco os recursos florestais, os ecossistemas e a própria vida das populações locais. Apesar da resistência das populações locais, até agora elas não foram capazes de garantir a demarcação de terras indígenas, obter plenos direitos à terra em territórios ocupados por descendentes de escravos, obter a demarcação de áreas de terras das comunidades ribeirinhas e promover a preservação de unidades de conservação ambiental e reservas naturais. Para resumir, eles não conseguiram salvaguardar conquistas importantes para proteger a Amazônia e defender seus povos, tradições e direitos.

À luz de tudo isso, acreditamos que o próximo Sínodo do Papa Francisco na região pan-amazônica é da maior importância. É mais do que um apelo à Igreja para defender a Amazônia e os direitos de suas populações. Trata-se de expandir a consciência dos benefícios da Amazônia para a humanidade como um todo; não é um presente apenas para os países que compartilham a floresta amazônica. A Amazônia é uma herança universal que precisa ser protegida por todos neste planeta, por todos nós, independentemente do local em que vivemos ou do país de onde somos. A Mãe Terra, como a chamamos, juntamente com seus povos, seus meios de subsistência, suas vidas, seus rios e sua floresta, precisa ser preservada para o bem da humanidade.

Fonte da foto: Página no Facebook da CPT

Compartilhe esse conteúdo nas mídias sociais

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *