CIDSE no Fórum Social Temático de Mineração e Extrativismo - CIDSE

CIDSE no fórum social temático sobre mineração e extrativismo

O primeiro “Fórum Social Temático sobre Mineração e Extrativismo” acontecerá em Joanesburgo, África do Sul, de 12 a 15 de novembro de 2018.

Nos últimos quinze anos ocorreu a expansão, consolidação e intensificação de um modelo de uso abusivo dos chamados “recursos naturais”, de que a mineração é um caso exemplar, em todo o mundo. Esse modelo vem devastando e degradando grandes áreas socioambientais, intensificando as condições de aquecimento global e as injustiças climáticas. Como muitos dos parceiros da CIDSE já testemunharam, este modelo sujeitou as economias locais a uma lógica de acumulação que beneficia privativamente as empresas do setor, impõe mudanças e retrocessos nas leis de proteção social e ambiental, impacta o cotidiano das comunidades tradicionais, indígenas e camponesas por violações direitos humanos, afetando em particular a vida de mulheres e crianças.

Em Fórum Social Temático sobre Mineração e Economia Extrativista tem como objetivo consolidar um amplo movimento de resistência e controle social sobre atividades extrativistas.

A rede CIDSE, com seu compromisso de longa data por direitos humanos e alternativas à mineração e ao extrativismo, está apoiando e participando ativamente do fórum. Representantes do Secretariado, bem como alguns representantes de suas organizações membros (CCFD - Terre Solidaire, França; DKA (membro do KOO do membro do CIDSE), Áustria; Fastenopfer, Suíça; Misereor, Alemanha) estão no local. Outros, como CAFOD, Inglaterra e País de Gales; SCIAF, Escócia e Trócaire, Irlanda apoiaram o fórum de diferentes formas.

Atividades organizadas pelo CIDSE:

Segunda-feira 12 / 11, 10: 30 - 15: 30. Dois eventos organizados com Red Muqui, Acción Ecologica, Misereor, Iglesias y Minería, CCFD-Terre Solidaire, sobre os seguintes tópicos:

- Transição justa e novas formas de produção regenerativa: Apenas estruturas de transição e novas formas de produção regenerativa, desenvolvimento alternativo em áreas de mineração

- Ações transformativas: diálogo como ação transformadora, exercício reflexivo participativo sobre mudança sistêmica

Quarta-feira 14 / 11: Um evento organizado em conjunto com a TNI sobre o tema:

Tratados internacionais, estruturas legais e uso da lei para avançar em nossas lutas: esta assembléia considerará como a ONU e outros tratados multilaterais podem avançar na luta contra a mineração e o xtrativismo. Especificamente, considerará as possibilidades de reverter o poder das empresas transnacionais através da adoção de tratados vinculativos.

Consulte esta página para atualizações regulares da África do Sul!

Os contatos do CIDSE no local são: Sylvia Obregon: obregon (at) cidse.org e Stefan Reinhold: reinhold (at) cidse.org


Recursos relevantes recentes de membros e aliados:

Julho 2018; CIDSE; Resumo da carta pastoral do CELAM sobre mineração

Maio 2018; Facing Finance, com o apoio da Misereor, Lucros sujos: empresas de mineração e extração

Abril de 2018; Misereor e Red Muqui, Alternativas de desarrollo nas regiões minera do Peru - Impactos ambientais na mineração e entradas alternativas na agricultura em Junín e Cajamarca

Abril de 2018, Developmemt & Peace e parceiros sul globais, Declaração final do Encontro Internacional “Mulheres Resistindo ao Extrativismo”

Março de 2018, Broderlijk Delen junto com APRODEH, Colectivo de Abogados, CEDHU e CEDIB,  Relatório sobre extrativismo e direitos humanos nos países andinos

Janeiro 2018, CJP, Um plano de suflê. Réduire, Imaginer, Agir

Setembro de 2017, ALBOAN e Synergie des Mulheres para as vítimas de violência sexual (SFVS) Mulheres nas minas. Os impactos do sistema de rastreabilidade nas comunidades Rubaya / Masisi, na República Democrática do Congo

Janeiro 2017, Brederlijk Delen, Bancos belgas se relacionam com o setor da indústria extrativa na América Latina

Março 2016, Fastenopfer / Bread for all, O lucro mais importante que as pessoas perdem? A extração do Burkina Faso e a responsabilidade da Suíça


ATUALIZAÇÕES DO BLOG DE JOANESBURGO

12 novembro 2018

3

Painel “Perspectivas de transição justa e desenvolvimento alternativo”

«AMANDLA», e o público grita em resposta “Awethu”, que significa “PODER - Para o povo”. Este é o lema que ressoa na plenária de abertura do primeiro Fórum Social Temático sobre Mineração e Economia Extrativista. O CIDSE e seus membros estão reunidos em Joanesburgo com parceiros e outras organizações dos países 60 de todo o mundo para celebrar a resistência das pessoas à mineração e seus impactos devastadores. O primeiro dia deste fórum social temático foi dedicado a atividades auto-organizadas. A equipe e os membros do CIDSE tiveram a oportunidade de refletir sobre a necessidade urgente de uma mudança de paradigma, a fim de se afastar da atual economia extrativista global. Esta foi para nós uma oportunidade de compartilhar os resultados da edição de abril do 2018 da CIDSE Fórum de Mudanças Sistêmicas, em um painel sobre “Perspectivas de transição justa e desenvolvimento alternativo”, co-organizado com a MISEREOR e parceiros como Red Muqui, WoMin e Accion Ecologica. Também participamos do lançamento da campanha de desinvestimento Iglesias y Mineria. Esta campanha visa combater a narrativa dominante das principais empresas de mineração que continuam apresentando projetos de mineração como oportunidades de desenvolvimento, empregos promissores e a chamada mineração “sustentável”. A campanha de desinvestimento visa envolver-se com atores da igreja de todo o mundo para exigir que eles analisem seus próprios investimentos e desinvestem de investimentos prejudiciais em mineração. Muitos camaradas de países africanos demonstraram grande interesse por essa abordagem e estavam interessados ​​em estabelecer vínculos com a rede Iglesias y Mineria. O CIDSE também coorganizou um painel de reflexão sobre “O diálogo como uma ação transformadora” com Iglesias y Mineria e o Diálogo do Povo. Foi para nós uma ocasião para relembrar a longa experiência de parceiros latino-americanos em teologia da libertação e aprofundar o conceito de diálogo, incluindo as condições básicas para iniciar um diálogo sólido e não uma negociação, o que implica relações desequilibradas de poder.


13 novembro 2018

Painel TSF 13 nov 2018

O segundo dia do Fórum Social Temático sobre Indústrias de Mineração e Extrativismo começou com canções de resistência das comunidades sul-africanas afetadas pela mineração. Após essa abertura cultural, um forte painel de quatro mulheres compartilhou suas lutas sociais em torno de atividades extrativistas no Brasil, Filipinas, Nigéria e EUA. Eles concordaram com o aumento dramático de atividades extrativas nos últimos anos do 15, ao mesmo tempo em que observavam uma resistência aumentada a isso. Em todo o mundo, as mulheres sustentam essencialmente a resistência social contra atividades extrativistas. O segundo painel apresentou uma análise apurada do sistema capitalista global baseado em economias extrativistas que traz destruição massiva social e ambiental e mudanças climáticas. A mensagem era clara: precisamos urgentemente de mudanças sistêmicas substanciais para salvar o planeta. Após as sessões plenárias, os participantes do TSF tomaram medidas e trouxeram suas fortes mensagens em uma marcha de protesto alta e colorida para a sede da Anglogold Ashanti, uma das maiores empresas de mineração de ouro do mundo. À tarde, dez assembléias temáticas diferentes começaram a desenvolver estratégias e construir redes em torno de uma variedade de questões-chave, como as novas ameaças emergentes da mineração em alto mar ou o aumento da pressão da mudança para a “energia verde”, exigindo sempre mais minerais. Isso acompanha uma criminalização cada vez maior da luta social em muitos países. O padre Dario Bossi, de Iglesias y Minería, destacou a responsabilidade da Igreja Católica como ator global na proteção das comunidades afetadas.


14 novembro 2018

Painel TSF 14 nov 2018

Começamos este dia com um relato dos interessantes debates que ocorreram nas assembleias temáticas de ontem. As ideias marcantes que surgiram foram a necessidade de descolonizar territórios, mentes e corpos. O sofrimento das comunidades deve parar e soluções como a economia azul e verde foram desmanteladas e criticadas como continuando a agenda capitalista. Seguiu-se uma plenária sobre mineração, clima e crise ecológica. Representantes da Accion Ecologica compartilharam algumas experiências do Equador, destacando que o direito à natureza pode ser uma ferramenta poderosa e levantaram a questão de como integrar este conceito em nosso trabalho. Fomos então provocados em muitas questões por um representante da Fundação Rosa Luxemburgo, por exemplo sobre a ambivalência das ações de justiça climática nos países do Norte: os movimentos para parar o carvão ou a energia nuclear (na Alemanha, mas também em outros países europeus) devem levar em consideração que essa redução não estimula a importação de matérias-primas produzidas com impactos sociais e ambientais extremamente negativos. A justiça climática global deve levar em consideração todos os possíveis impactos negativos sobre todas as pessoas, onde quer que vivam. Portanto, uma questão importante é como devemos lidar com os conflitos de interesses dentro de nossos movimentos. À tarde realizaram-se oito comissões convergentes com o claro propósito de identificar convergências, divergências e planos de ação. Nesses grupos foram discutidos temas como o direito de dizer não, alternativas ao extrativismo, lutas das comunidades e contra empresas ou tratados internacionais. Sugestões concretas foram feitas e trocadas no plenário. Essas sugestões agora servem de base para a declaração final do Fórum Social Temático sobre Mineração e Economia Extrativista nesta quinta-feira, incluindo um plano de ação para o futuro. Continua quinta-feira, 15 de novembro, último dia do fórum social temático Mineração e Economia Extrativista.


15 novembro 2018

Painel TSF 15 nov 2018

Após a dança e o canto inicial, o último dia do fórum começou com um painel sobre “Apenas transição e extrativos”. Um representante da rede latino-americana “Sí a la vida, No a la Minería”, nos contou a história de duas comunidades da Colômbia que pararam projetos de mineração em seus territórios, não apenas protestando nas ruas, mas também criando socioeconômicas alternativas em torno de projetos sustentáveis ​​de agricultura e ecoturismo. Um palestrante da Rede Muqui (Peru), lembrou-nos a importância de construir novas identidades e narrativas coletivas em torno da idéia de bem-estar, entendida em termos gerais, para desafiar a estreiteza das visões convencionais sobre crescimento econômico. Ele também apontou a necessidade de alcançar as gerações mais jovens com a mensagem da ecologia, porque o futuro está em suas mãos. A manhã continuou com a apresentação do primeiro projeto de declaração que foi discutido posteriormente nos grupos de trabalho. Houve consenso sobre os principais pontos, mas também foram levantadas preocupações importantes no debate a seguir, como o enquadramento da “mineração artesanal”. Por fim, concordou-se em introduzir algumas emendas no projeto original e o comitê de direção do fórum escreverá uma versão final da declaração, que será lançada nos próximos dias.

O Fórum Social Temático foi concluído com a adoção de um declaração final e um agenda de ação.

 

Compartilhe esse conteúdo nas mídias sociais