A UE deve empenhar-se de forma construtiva no Tratado das Nações Unidas para as Empresas e os Direitos Humanos - CIDSE
© Victor Barro, Amigos da Terra Internacional

A UE deve participar construtivamente no Tratado das Nações Unidas para as Empresas e os Direitos Humanos

© Victor Barro, Amigos da Terra Internacional

Hoje, uma resolução votada pelo PE junta-se a um número crescente de atores que apóiam ativamente o Tratado Vinculativo da ONU, mas a UE não se engajou o suficiente até o momento. Antes de uma importante decisão no Conselho de outubro de 10 sobre a participação da UE no processo, é hora de acelerar!

 

Hoje, o Parlamento Europeu (PE) votou uma resolução a favor de um Tratado Vinculativo da ONU como um instrumento crucial para manter sob controle as atividades das empresas transnacionais (ETNs) e garantir a primazia dos direitos humanos e o cuidado com o meio ambiente.

Existem muitos exemplos de violações de direitos humanos que ocorrem como resultado das atividades de empresas transnacionais, que até hoje conseguiram tirar proveito de estruturas regulatórias frouxas. O Tratado da ONU tem o potencial de melhorar bastante essa situação. A próxima sessão do órgão responsável pelo Tratado, o grupo de trabalho intergovernamental aberto sobre corporações transnacionais e outras empresas de negócios em relação aos direitos humanos (IGWG) será lançado em breve (15-19, em outubro) e é essencial que passos são dados.

Na sua resolução, o PE solicita que "toda a UE e os seus Estados-Membros se envolvam genuína e construtivamente nessas negociações" e "destaca a importância primordial da UE contribuir construtivamente para a consecução de um Tratado Vinculativo que abordará efetivamente a questão da responsabilidade corporativa. por violações de direitos humanos e desafios relacionados ”.

No passado, a UE tentou retardar o processo do Tratado, não demonstrando liderança e proatividade para aproveitar o potencial de um instrumento internacional juridicamente vinculativo para fortalecer a proteção dos direitos humanos. Agora é hora de colocar as pessoas em primeiro lugar, garantir-lhes acesso à justiça e garantir que as empresas sejam reguladas adequadamente, encerrando um equilíbrio assimétrico que tem sido prejudicial para muitas comunidades.

Os atores da Igreja têm falado cada vez mais fortemente em favor de uma regulamentação mais adequada das empresas transnacionais para proteger os direitos humanos - o Papa Francisco liderou o caminho com sua publicação da Encíclica Laudato Si 'na 2015. Em junho deste ano, o Observador Permanente da Santa Sé junto às Nações Unidas em Genebra declarou em afirmação: “Dada a natureza transnacional das liberdades econômicas e dos direitos humanos, uma legislação transnacional robusta deve ser promovida para apoiar os governos em seu dever de proteger contra violações de direitos humanos de terceiros.” Em março, em uma exortação pastoral, os bispos da América Latina América enviou um chamada poderosa expressando a necessidade de cuidar de nosso lar comum, em defesa dos direitos e territórios das comunidades. Essa ligação ocorreu após muitas experiências negativas na América Latina com empresas multinacionais, como empresas de mineração, que operaram com conseqüências desastrosas na vida e no meio ambiente das pessoas, enquanto escapavam à prestação de contas. À luz de tais experiências, os bispos europeus perguntou a UE a desempenhar um papel construtivo no processo de um Tratado vinculativo.

Outras expressões recentes de apoio são esta carta aberta assinado por mais de estudiosos e especialistas da 150 que defendem fortemente um Tratado Vinculativo, declarações de institutos nacionais de direitos humanos na França e na Alemanha, bem como uma declaração de posição da Confederação Sindical Europeia.

Sociedade civil, reunindo-se no mundo Aliança do Tratado, da qual o CIDSE é um membro líder, há anos advoga um Tratado, trazendo as vozes de pessoas que vivem diretamente as conseqüências dos abusos corporativos.

A UE não pode deixar de ouvir uma gama tão vasta de atores!

O próximo IGWG é uma sessão especialmente crucial, que segue a publicação de um "rascunho zero" do texto do Tratado. O CIDSE considera este texto como um bom ponto de partida para iniciar as negociações, mas aponta algumas melhorias necessárias, como a garantia do primado dos direitos humanos nas políticas de comércio e investimento, a proteção dos defensores dos direitos humanos e a necessidade de mecanismos de aplicação mais fortes ( veja nossa análise plítica de privacidade ).

Em outubro, 15-19, estaremos em Genebra, defendendo um Tratado vinculativo junto aos nossos membros, parceiros e aliados. Esperamos que a UE e seus Estados-Membros participem da 4ª sessão do IGWG, fazendo propostas construtivas em direção a um Tratado que possa ajudar a acabar com os abusos dos direitos humanos no contexto de atividades comerciais.

Contato:

Valentina Pavarotti, Diretora de Comunicação e Relações com a Mídia, pavarotti (at) cidse.org

Compartilhe esse conteúdo nas mídias sociais