Uma abordagem nova e mais transparente para o financiamento pode salvar vidas - CIDSE
© Rogério Alves

Uma abordagem nova e mais transparente ao financiamento pode salvar vidas

© Rogério Alves
Lama após o

Após a votação do Parlamento Europeu sobre finanças sustentáveis, refletimos sobre as medidas que faltam no campo dos investimentos para evitar a perda de muitas vidas e a perturbação das comunidades.

Em 6 de maio, o Parlamento Europeu votou a favor do relatório sobre Finanças Sustentáveis, promovido pelo grupo Verdes / EPT, após a publicação do Plano de Ação da UE sobre finanças sustentáveis ​​pela Comissão Europeia em 10 de março. O relatório aprovado pelo Parlamento define sua posição a favor de investimentos mais atentos ao efeito no clima e no meio ambiente, incluindo medidas como verificar se as carteiras das instituições financeiras estão alinhadas com o Acordo de Paris.

Embora este seja um passo importante para a justiça climática e o cumprimento das metas climáticas estabelecidas pelo acordo de Paris, é necessária uma ambição maior de incluir medidas para que os investimentos levem em conta o clima, o meio ambiente e também a vida das pessoas nele. Nossa visão foi moldada por várias conversas e encontros com representantes de comunidades fora da Europa que foram afetados pelas atividades de empresas multinacionais que foram pelo menos parcialmente financiadas por bancos europeus.

A principal promotora de MEP do relatório de finanças sustentáveis, Molly Scott, reconheceu ontem em um nota da imprensa que os direitos humanos e o impacto social dos investimentos devem ser levados em conta com mais destaque quando se trata de investimentos. Juntamos sua voz ao dizer que, no nível da UE, a devida diligência obrigatória deve estar presente nos investimentos. Isso é essencial para garantir que os investimentos em todo o mundo não sejam contrários às vidas humanas e que os meios de subsistência das comunidades onde os projetos são implementados sejam respeitados e protegidos.

O caso da explosão da barragem de Fundão em Mariana, Brasil, é um exemplo de um desastre que poderia ter sido evitado se uma abordagem de due diligence fosse implementada. O “desastre de Mariana”, explorado pelo CIDSE em este dossiê multimídia, trouxe uma enorme trilha de destruição, incluindo a morte do povo 19, a destruição de muitas aldeias e a poluição dos rios ao redor. Os bancos europeus HSBC e BNP Paribas estão envolvidos no financiamento da empresa que opera a barragem, a Samarco Mineração SA.

O caso foi analisado no relatório “Lucros sujos”, Lançado em maio 2018 pela organização Facing Finance. O relatório expõe como os investimentos de dez bancos europeus em dez empresas extrativas violam continuamente os direitos humanos e danificam o meio ambiente. Não está claro, de acordo com o relatório, se os bancos envolvidos com a Samarco realizaram sua devida diligência. Se o tivessem feito, diz o relatório, deveriam ter descoberto que a empresa falhou repetidamente em abordar medidas básicas de segurança e padrões de proteção ambiental, incluindo a falta de um plano de ação de evacuação de emergência para a barragem de Fundão, um requisito legal no Brasil para barragens classificados como tendo alto potencial de causar danos.

Este exemplo trágico, como os outros analisados ​​no relatório Dirty Profits, destaca a importância de garantir que os investidores e as pessoas europeias tenham a certeza de que os seus investimentos, poupanças e pensões não são usados ​​para financiar empresas antiéticas. Que não estão contribuindo para as mudanças climáticas e não estão destruindo a vida das pessoas do outro lado do mundo.

Muitas vidas poderiam ser salvas por uma análise minuciosa dos investimentos e uma nova e mais transparente abordagem de financiamento.

Compartilhe esse conteúdo nas mídias sociais