CIDSE lança novo estudo sobre comércio e investimento e o Tratado das Nações Unidas sobre Empresas e Direitos Humanos com painel de debate no Parlamento da UE - CIDSE

CIDSE lança novo estudo sobre comércio e investimento e o Tratado da ONU sobre Empresas e Direitos Humanos com painel de debate no Parlamento da UE

Hoje, o CIDSE está lançando um novo estudo do Dr. Markus Krajewski, da Universidade de Erlangen-Nürnberg, que examina como um Tratado da ONU sobre empresas e direitos humanos pode tratar de possíveis conflitos entre comércio e direitos humanos e fornece cláusulas-modelo que ajudariam a garantir que a proteção dos direitos humanos seja fortalecida no contexto de acordos de comércio e investimento.

O estudo, intitulado Garantindo a primazia dos direitos humanos nas políticas de comércio e investimento: cláusulas-modelo para um Tratado da ONU sobre corporações transnacionais, outras empresas e direitos humanos1, está sendo lançado durante um painel de debate no Parlamento da UE, organizado pelo Partido Popular Europeu (PPE) e, em particular, pelo eurodeputado belga Claude Rolin, e co-organizado pela CIDSE e pelas organizações membros belgas Entraide & Fraternité, bem como por Broederlijk Delen.

O painel fornecerá várias perspectivas do Norte e do Sul sobre o papel que a UE deve desempenhar no que diz respeito a "negócios e direitos humanos" e, em particular, sobre as oportunidades que são proporcionadas por um instrumento internacional juridicamente vinculativo para empresas transnacionais e outras empresas comerciais com respeito direitos humanos (Tratado da ONU).

Em outubro do 2017, as negociações históricas sobre o Tratado da ONU começarão em Genebra e a CIDSE e seus membros estão incentivando os líderes mundiais a apoiar um forte acordo que garantirá que os interesses corporativos não sejam colocados acima dos direitos humanos.

Além do Dr. Krajewski como membro do painel, Dom Álvaro Ramazzini, O Bispo de Huehuetenango, Guatemala, estará presente para fornecer exemplos dos impactos das indústrias extrativas nas comunidades locais e na luta das comunidades para que seus direitos sejam respeitados. Claire Courteille, Diretor da OIT-Bruxelas, também será apresentado.

“Os Princípios Orientadores da ONU sobre Direitos Humanos e Negócios não são vinculativos e, até agora, os Estados não mudaram fundamentalmente suas práticas de tratados. Atualmente, existe uma janela de oportunidade para a introdução de novas abordagens legais para abordar a relação entre direitos humanos e políticas de investimento e comércio ”, comenta o Dr. Krajewski no estudo.

Para Monsenhor Ramazzini, um Tratado poderia impactar positivamente as comunidades que estão sofrendo as conseqüências de empresas estrangeiras que operam em suas terras ou nas proximidades. “As comunidades indígenas na Guatemala estão testemunhando um aumento de conflitos e uma perda de harmonia entre as comunidades, além da deterioração de seu ambiente devido a operações de mineração que não respeitam os direitos humanos fundamentais, especialmente o direito ao consentimento livre, prévio e informado, ou que não exerçam a devida diligência em suas atividades ”, diz ele.

Para mais informações ou entrevistas: Kelly Di Domenico, Oficial de Mídia e Comunicação, didomenico@cidse.org, Tel: + 32 (0) 2 282 40 73, Celular: + 32 (0) 4 91 39 54 75.

1A vida do estudo explora o potencial de um tratado futuro para ajudar a superar as limitações e lacunas das reformas no regime comercial e contribuir para garantir a primazia da lei de direitos humanos sobre a lei de comércio e investimento, através de disposições que tratam de três áreas específicas: primeiro, a regulamentação da relação entre direitos humanos direitos e acordos de comércio e investimento; segundo, avaliações de impacto em direitos humanos; e terceiro, obrigações de direitos humanos para esquemas de crédito à exportação e garantia de investimentos. Você pode ler o Resumo Executivo aqui.

Compartilhe esse conteúdo nas mídias sociais