Mobilizando a juventude: discutindo com Janelle Delorme no Fórum Social Mundial. - CIDSE
Workshop: Mudança climática: continuação da mobilização de pessoas e promoção de modos de vida sustentáveis ​​após o COP21

Mobilizando a juventude: discutindo com Janelle Delorme no Fórum Social Mundial.

Workshop: Mudança climática: continuação da mobilização de pessoas e promoção de modos de vida sustentáveis ​​após o COP21

Janelle Delorme, que começou a se engajar no ativismo com o Desenvolvimento e Paz desde os 12 anos, agora é animadora regional para a região de Manitoba. Ela apóia os membros na divulgação de campanhas nas paróquias, educando os canadenses sobre diferentes questões de justiça social com as quais os parceiros de Desenvolvimento e Paz do Sul global estão lidando. No Fórum Social Mundial, durante o workshop “Mudanças Climáticas: Continuando a mobilização depois de Paris” ela falou sobre a mobilização juvenil no Canadá.

Como começou seu engajamento no ativismo com o Desenvolvimento e a Paz?
Comecei muito jovem, aos 12 anos. Por meio de diferentes jogos e atividades organizados pela Development & Peace, aprendi sobre as diferentes questões de justiça social com as quais as pessoas no Sul global estavam lidando; A Nike e a Levi's estavam na vanguarda e foram criticadas pelo fato de explorarem crianças em fábricas exploradoras. Na época eu tinha 12 anos e o que realmente me chocou foi ser contado que havia na verdade 12 anos que serraram seus sapatos. [...] Isso realmente me despertou para o fato de que no Norte global vivemos em uma sociedade muito rica [...] Tenho que reconhecer o fato de que tenho um enorme privilégio como cidadão canadense.

Qual a relevância do “Espaço da Juventude” no Fórum Social Mundial?
O fórum permite uma voz e um espaço para a juventude, isso é importante porque muitas vezes nossa voz se perde no mar de idosos; ter o espaço para jovens no Fórum Social Mundial também permite aos jovens que sentem que não têm voz para voltar às suas regiões no Canadá, voltar ao seu país de origem e educar outros. Dessa forma, eles podem realmente saber que podem mudar o mundo, e isso pode ser por meio de pequenas ações e por grandes ações, não significa necessariamente que você precise mudar o mundo inteiro, mas pode mudar apenas o mundo ao seu redor.

O que é o Fórum Social Mundial para você?
O FSM para mim é uma oportunidade de me reunir com pessoas afins para falar sobre diferentes questões de justiça social, para trazer à tona questões que não são discutidas na grande mídia; também nos permite compartilhar idéias. Quando fui ao RIO + 20 e fui à cúpula das pessoas, fiquei tão inspirado pela luta do povo latino-americano e como eles se mobilizaram, como organizaram suas comunidades. E, portanto, acho que essas formas permitem a contaminação cruzada, aprendem umas com as outras e permitem a oportunidade de receber uma chamada de alerta, de aprender sobre os assuntos emitidos dos quais talvez nem tenhamos ouvido falar.

O espaço do Fórum Social Mundial pode contribuir para a mudança global?
Eu acho que o FSM pode ser um catalisador para algumas pessoas. É difícil encontrar espaços alternativos e precisamos ter essa voz alternativa em comparação com a mídia convencional. Acho que queremos um "grande impacto agora", vivemos em uma sociedade onde queremos mudar e queremos agora, e o que queremos no Fórum Social Mundial é mudança de sistema, e acredito que a mudança de sistema levará tempo. Para isso, você precisa de dedicações, voluntários, organizações que estão dispostas a dedicar esse tempo e trazer essas novas idéias para o primeiro plano. Demorou muito tempo, por exemplo, na África do Sul, para as pessoas estarem cientes do apartheid e desmantelá-lo. O mesmo aconteceu aqui no Canadá com as comunidades da Primeira Nação e as comunidades Inuit que foram impactadas pelo sistema escolar residencial. Faz anos e anos que as pessoas falam abertamente sobre isso, mas somente com a Comissão da Verdade e Reconciliação começamos a aprender o legado das igrejas e dos governos e o impacto que isso teve nas comunidades indígenas do Canadá. Então, acho que precisamos dar tempo para a mudança. E a mudança acontece em várias etapas incrementais; talvez nem a vejamos todos os dias e, de repente, a mudança aconteceu.

Quais são as especificidades do Fórum Social Mundial que está ocorrendo no Canadá?
Acho que o fato de o FSM ser em um país do Norte como no Canadá tem suas vantagens e desvantagens. Tem suas vantagens porque demonstra que no Canadá também existem muitas questões de justiça social com as quais temos que lidar, especialmente com a comunidade indígena, e entre outras questões estão as lutas dos estudantes, a austeridade. Acho que a presença do Fórum Social Mundial permite que isso venha para o primeiro plano. Infelizmente, principalmente com tantos vistos recusados, a participação de pessoas do Sul global ... Gostaria que tivesse sido maior. Talvez vir financeiramente para o Canadá tenha sido uma barreira, mas como podemos ver pelos números não tem sido tão frequentado como os Fóruns Sociais Mundiais anteriores.

 

Compartilhe esse conteúdo nas mídias sociais
Protegido por miniOrange