Diários do Fórum Social Mundial em Montreal - parte I - CIDSE
Blogue

Diários do Fórum Social Mundial em Montreal - parte I

Atualizações e reflexões da equipe do CIDSE escrevendo de Montreal, onde muitas idéias e inspirações para um mundo melhor estão sendo geradas e discutidas no Fórum Social Mundial.

 

Parte II dos Diários CIDSE WSF2016 disponíveis plítica de privacidade .

 

Segunda-feira 8 agosto: A chegada
Chegamos a Montreal na noite de segunda-feira e fomos recebidos pela Development & Peace, nossa organização membro canadense. Ficamos felizes em conhecer alguns moradores imediatamente! Na recepção de boas-vindas, todos nós compartilhamos entusiasmo com o fórum que estava começando. Mais encontros com Desenvolvimento e Paz seguirão durante a semana, por ocasião do seu 50º aniversário. Estamos ansiosos para comemorar suas conquistas e longa história com eles!

 

Terça-feira 9 agosto: A abertura
Marcha de abertura do WSF2015A terça-feira começou com uma reunião informal com nossos parceiros e membros. Essas reuniões informais tornaram-se uma tradição da CIDSE ao longo dos anos. Graças a essas reuniões que reúnem pessoas muito diferentes, mas compartilham causas comuns, essas reuniões têm o poder de gerar idéias inovadoras e gerar feedback construtivo sobre o nosso trabalho, além de nos proporcionar a oportunidade de nos conectarmos com as pessoas no local, um momento de solidariedade enquanto testemunham suas lutas. E desta vez nossas expectativas não foram enganadas! Foram apresentadas sugestões sobre os desafios da medição de impactos, com os parceiros até se perguntando se o impacto real é realmente mensurável. A mudança sistêmica, como destacado na conversa, deve estar no centro da mudança que queremos ver; portanto, não devemos nos limitar aos impactos que podemos ver no nível local, mas sempre olhar para o cenário mais amplo. A necessidade de contar a “outra história” e o papel que devemos assumir no combate à narrativa dominante presente na mídia em relação à agricultura, mudanças climáticas, extrativismo, por exemplo, também foi levantada, como um fator-chave para mudanças reais.

À tarde marchamos nas ruas de Montreal junto com representantes de várias organizações, movimentos populares e muitos locais para abrir oficialmente o Fórum Social Mundial. Apreciamos especialmente o tempo que passamos com a delegação de jovens de Desenvolvimento e Paz, com quem caminhamos juntos por um longo trecho da marcha e cantamos por justiça e solidariedade. Muitas pessoas que compareceram às edições anteriores do Fórum Social Mundial consideraram esta marcha menos lotada e barulhenta do que o normal. Mesmo assim, nos sentimos motivados por fazer parte da multidão e prontos para mergulhar nas muitas oficinas que começam no dia seguinte.

 

Quarta-feira 10 agosto: Compartilhando e aprendendo
Na quarta-feira, a maioria das atividades começou e todos aproveitamos o intenso programa ao máximo, co-organizando uma oficina sobre Laudato Si ', mas também participando de outras oficinas dedicadas ao extrativismo, às mudanças climáticas e ao futuro do Fórum Social Mundial .

WSF2016 laudatosiLaudato Si '
O evento "Laudato Si ', um apelo à mudança”, Co-organizada por Development & Peace, CIDSE e Franciscans International, demonstrou a força do Fórum Social Mundial como um espaço para reunir sabedoria, aprendizado e ensinamentos de diferentes lutas. Essas lutas se unem em uma visão da vida humana como parte da terra. Essa também é a visão de Laudato Si '. Graças a Laudato Si ', essa visão passou a ser amplamente reconhecida. Com um estilo de vida baseado em um sistema capitalista extrativista, equivoca-se a percepção de quem não compartilha de nosso estilo de vida que vive à margem de nosso modelo econômico como “alternativo”. Devemos reconhecer que somos nós que precisamos mudar - para redescobrir nosso lugar na terra. Precisamos aprender a “ouvir o arroz crescer”, como dizem no Laos. Requer valorizar e reforçar os traços femininos de ouvir, aprender, ser parte de algo enquanto acontece, em vez de fazer as coisas acontecerem. Requer uma contra-lógica àquela que prevaleceu ao longo da história do colonialismo, evangelização e civilização. (Gravação disponível plítica de privacidade .)

Comitê ambiental WSF2016Mudanças Climáticas
O workshop “mudanças climáticas: crise ou colapso?” foi organizado pelo espaço do clima, seção do FSM tradicionalmente dedicada a questões relacionadas ao clima. Os painelistas estavam todos alinhados em um fato dramático: não há dúvida sobre isso, podemos identificar sintomas suficientes que indicam que estamos enfrentando um colapso climático. Ficar ciente disso implica em uma mudança radical no cronograma que estamos usando: uma crise (uma palavra que era mais comumente associada ao clima) poderia durar 250 anos e ainda ser "administrável" (e alguns painelistas e participantes se referiam ao capitalismo como um exemplo dessa crise duradoura). Mas o colapso significa que podemos ter apenas 10, 15 ou 20 anos, no máximo, pela frente. E isso é uma verdadeira virada de jogo: estratégias, metas, espaço que investimos, recomendações que fazemos ... mudar apenas uma palavra mudaria radicalmente nossas perspectivas e a forma como vemos as questões difíceis: podemos imaginar isso nos próximos 10 ou 15 anos, um documento da ONU ou os governos conseguirão evitar o colapso? Podemos nós, como organizações da sociedade civil e movimentos sociais, prevenir o colapso ou apenas seremos capazes de influenciar as maneiras como o colapso será “cuidado” ou administrado por nossas sociedades?

Extrativismo
O espaço extrativista do FSM “Gente e planeta antes do lucro: abandonar o livre comércio e o extrativismo para desmantelar o poder corporativo” é apoiado pelo CIDSE entre várias organizações. O espaço está abordando as três questões interligadas do extrativismo, acordos de livre comércio e o poder das empresas transnacionais. A complexidade da questão é reconhecida ao abordar também as questões interligadas de igualdade de gênero, militarização, democracia, consentimento das comunidades e padrões de consumo de produção. Uma intervenção particularmente comovente foi feita pela filha da ativista indígena assassinada, Berta Caceres. Ela destacou a pressão constante sob a qual os defensores dos direitos humanos trabalham. Porém, mesmo quando confrontam corporações multinacionais, as comunidades ainda têm a capacidade de viver de acordo com seu modo de vida tradicional, inventando novas alternativas para uma vida melhor para todos. Todos os participantes da sala concordaram que esse tipo de alternativa positiva precisa ser melhor demonstrada e interligada.

Evento paralelo WSF2016 nossas montanhas rios não estão à vendaNa oficina "Nossos rios e montanhas não estão à venda: comunidades lutam por justiça ecológica”Destacou-se que o modo de vida ocidental acumulou uma grande dívida ecológica que deve ser reconhecida. A colonização ainda está em andamento através da apropriação ilegítima de territórios. Os esquemas de REDD + são o exemplo mais recente da mercantilização contínua da natureza. Como observado por Isaac Asume da Social Action Nigeria “Os escandalosos esquemas de comércio de carbono tentam colocar a responsabilidade das emissões ocidentais no modo de vida em comunidades remotas que não participaram do aquecimento global”.

Salientou-se que o extrativismo é um beco sem saída e precisamos nos concentrar em respostas positivas alternativas. A economia circular poderia ser apenas um dos muitos caminhos a seguir. Embora tenhamos que desistir de muitas coisas materiais em nossa vida, devemos nos recuperar em outras áreas, como em nossa vida espiritual. Essas questões reforçam a necessidade de defender a mudança de estilo de vida, tema da campanha da CIDSE sobre estilos de vida (Mudança para o planeta, Cuidado com as pessoas), que defende mudanças no estilo de vida por meio de ações concretas, relacionadas ao consumo ou transporte de energia e alimentos.

No workshop “Alternativas sistêmicas nas sociedades pós-extrativistas” dedicadas às alternativas ao extrativismo, a discussão girou em torno de uma questão-chave: o desenvolvimento econômico precisa de crescimento e, para o crescimento, precisamos do extrativismo. Independentemente da ideologia, o desejo do Estado de manter o poder - mesmo se o fizer por meio de políticas populares como o financiamento de programas de saúde e educação - é sustentado pelo extrativismo. Isso apesar das evidências (demonstradas pelas atuais crises em que os países exportadores de recursos se encontram) de que o modelo extrativista é insustentável. Combater o extrativismo é complexo. É sobre abordar o poder. Além de construir um estado forte e robusto que sirva as pessoas, defendendo e realizando seus direitos, a democratização é igualmente crítica. Foi dito que é essencial construir movimentos sociais fortes e independentes como um contra-poder para o Estado, forte o suficiente para fazer prevalecer as alternativas.

Março WSF2016Futuro do Fórum Social Mundial
Houve discussões em torno do fato de que este é o primeiro Fórum Social Mundial a ser realizado por um país do Norte global e organizado por um comitê de acolhimento canadense composto principalmente por jovens. Alguns acreditavam que essa mudança enfatiza a responsabilidade que os cidadãos dos países do norte devem assumir: a responsabilidade de acelerar, sair da zona de conforto, mudar nossos comportamentos de consumo e assumir posições políticas mais fortes, também aprendendo com ativistas na África, Ásia ou a América Latina na linha de frente todos os dias para lutar contra um sistema do qual todos fazemos parte.
Ativistas de diferentes países reconhecem a importância de proteger espaços onde a sociedade civil possa criar estratégias, trocar e buscar sinergias em todo o mundo, e em particular na América Latina e Ásia, os espaços da sociedade civil estão encolhendo e os ativistas de direitos humanos são perseguidos. Muitos acreditam, portanto, que o fórum deve permanecer um “quadrado sem proprietários”, um festival de iniciativas, mas que também deve ser relevante para o mundo exterior e contribuir para fazer com que as iniciativas lideradas por pessoas floresçam e sejam fortalecidas. Entre os principais elementos destacados para o futuro do fórum estavam o engajamento dos jovens em cargos de liderança, um esforço comprometido para construir espaços nacionais e regionais que pudessem se alimentar no fórum global, criando um clima de colaboração, para incluir e garantir que novos movimentos fossem realizados. o espaço para ser protagonista e trazer suas contribuições, para reforçar o papel do fórum de ser relevante para o contexto político. Os fundadores do fórum em Porto Alegre nos chamaram hoje para defender um espaço em que deveríamos colocar a cooperação no centro, em vez de competir, e estar cientes de que não há organização ou movimento que, por si só, possa ter a "estratégia" de combater um tamanho tão grande. e inimigo forte: o sistema em que estamos vivendo.

 

A quarta-feira foi uma boa porta de entrada para o Fórum Social Mundial: trocando, compartilhando, brainstorming e aprendendo uns com os outros sobre estratégias, relacionamentos e atividades que podem contribuir na construção e na transição para outro mundo - o que é necessário e possível como o slogan do Reivindicações do Fórum Social Mundial. Apenas sobre identificar, selecionar, cultivar sementes de mudança que cada um de nós terá que trazer de volta em nossas próprias organizações, garantindo que essas sementes não apodreçam em algum lugar esquecido em um armário, mas que alimentem nossas atividades e estratégias diárias de reflexão e continue nos desafiando.

Compartilhe esse conteúdo nas mídias sociais