Leitura da Carta Encíclica “Laudato si '” com lentes de gênero - CIDSE

Ler a Carta Encíclica “Laudato si '” com lentes de gênero

A Carta Encíclica 'Laudato sì' teve um enorme impacto e provocou um debate animado sobre seu conteúdo. De fato, o documento enfoca a crise do 'lar comum' da humanidade, identificando os problemas e indicando o caminho.

NB: As opiniões expressas neste blog não refletem necessariamente as posições oficiais da CIDSE.

Notavelmente, Laudato sì destaca a necessidade de uma ecologia humana, abrangente, capaz de enfrentar os desafios da degradação da natureza e dos laços sociais, define as características do bem comum e o caminho para alcançá-lo. Pode ser visto como um documento inovador, diferente das encíclicas sociais anteriores em seu foco principal. No entanto, por outro lado, ainda há muito trabalho a ser feito para entender que muitos dos problemas e tópicos mencionados pelo Papa neste documento têm diferentes impactos sobre homens e mulheres. Vamos apenas dar alguns exemplos desses diferentes impactos.

Pobreza e gênero
Laudato si 'enfatiza o dever de solidariedade e de opção preferencial pelos mais pobres, estabelecendo um vínculo fundamental entre o bem comum e o que podemos chamar de “bens comuns”: a opção pelos mais pobres resulta do reconhecimento da “destinação universal dos bens do mundo ”(LS 158) e devem estar no centro das discussões políticas e econômicas internacionais (LS 49). Cuidar de nossa “casa comum” (a Terra) significa cuidar do ser humano, especialmente dos mais pobres. Citando Francisco de Assis, o Papa afirma ter mostrado “quão inseparável é o vínculo entre a preocupação com a natureza, a justiça para os pobres, o compromisso com a sociedade e a paz interior”. (LS 10)

Teria sido interessante que o documento se aprofundasse nos diferentes impactos da pobreza sobre homens e mulheres, uma vez que, segundo a ONU, “enquanto homens e mulheres sofrem na pobreza, a discriminação de gênero significa que as mulheres têm muito menos recursos para lidar com elas. . É provável que sejam os últimos a comer, os que têm menos probabilidade de acessar os serviços de saúde e, rotineiramente, presos em tarefas domésticas não remuneradas e demoradas. Eles têm opções mais limitadas para trabalhar ou criar negócios. A educação adequada pode estar fora de alcance. Alguns acabam forçados à exploração sexual como parte de uma luta básica para sobreviver ”(Veja mais em: http://beijing20.unwomen.org/en/in-focus/poverty#facts).

A Carta Encíclica reafirma o ensino tradicional da Igreja segundo o qual "a tradição cristã nunca reconheceu o direito à propriedade privada como absoluto e inviolável" (LS 93) e cita o papa John Paul I. quando escreveu que "' não está de acordo com o plano de Deus de que esse presente seja usado de tal maneira que seus benefícios favoreçam apenas alguns '”. (LS, Nr. 93). Ao ler esses textos inspiradores, os católicos não devem esquecer que existem muitos países onde as mulheres ainda não têm acesso à propriedade: essa realidade dá um novo significado à afirmação sobre a necessidade de usar a propriedade privada em favor de todos e sobre a necessidade expressa pelo Papa. Francisco reconhecer a igual dignidade de todos os seres humanos.

Ao ler a citação dos Bispos do Paraguai (“Todo camponês tem o direito natural de possuir um lote razoável de terras onde possa estabelecer sua casa, trabalhar para a subsistência de sua família e uma vida segura. Este direito deve ser garantido para que sua o exercício não é ilusório, mas real. Isso significa que, além da posse da propriedade, a população rural deve ter acesso a meios de educação técnica, crédito, seguro e mercado ”. - LS. Nº 94), devemos ter em mente que , de acordo com a FAO, “as mulheres desempenham um papel decisivo na segurança alimentar das famílias, na diversidade alimentar e na saúde das crianças: nos países em desenvolvimento, as mulheres e os homens rurais desempenham papéis diferentes na garantia da segurança alimentar de suas famílias e comunidades. Enquanto os homens cultivam principalmente safras, as mulheres geralmente são responsáveis ​​pelo cultivo e preparação da maior parte dos alimentos consumidos em casa e pela criação de pequenos animais, que fornecem proteínas. As mulheres rurais também realizam grande parte do processamento doméstico de alimentos, o que garante uma alimentação diversificada, minimiza perdas e fornece produtos comercializáveis. As mulheres têm maior probabilidade de gastar sua renda com alimentos e necessidades dos filhos - pesquisas mostram que as chances de sobrevivência de uma criança aumentam em 20% quando a mãe controla o orçamento doméstico. As mulheres, portanto, desempenham um papel decisivo na segurança alimentar, diversidade alimentar e saúde infantil. ” (Vejo http://www.fao.org/gender/gender-home/gender-programme/gender-food/en/) O problema da poluição da água e da escassez de água, abundantemente mencionado por Laudato sì (ver LS, Nr. 2, 8, 20, 24, 27-31, 35, 37, 40, 44, 48, 72, 140, 164, 185 , 211, 234, 235), mesmo que afetem todas as populações em algumas partes do globo, representam um peso particular sobre os ombros das mulheres, uma vez que “em muitos países, as mulheres são responsáveis ​​por encontrar e coletar água para suas famílias. Toda a água que eles precisam para beber, lavar, cozinhar, limpar. Eles andam quilômetros, carregam cargas pesadas, esperam horas e pagam preços exorbitantes. O trabalho é árduo e consome tudo. Muitas vezes a água está contaminada, mesmo mortal. Nesses casos, eles enfrentam uma escolha impossível - certa morte sem água ou possível morte por doença. Quando tiverem idade suficiente, as meninas se juntam a esse esforço. Eles passam inúmeras horas tentando suprir essa necessidade básica de vida. ” http://water.org/water-crisis/womens-crisis/)

Resumindo: existem problemas no mundo causados ​​por homens e mulheres e problemas causados ​​por estruturas sociais patriarcais que afetam homens e mulheres de diferentes maneiras. Devemos, como cristãos, trabalhar nas possibilidades de homens e mulheres resolverem esses problemas, inspirando-nos na “ousada revolução cultural” (LS, Nr. 114) a que o Papa Francisco apela?

Sobre o autor:

Teresa Toldy, é Doutora em Teologia, especializada em teologia feminista. Foi Presidente da Associação Portuguesa de Teologias Feministas e ex-Vice-Presidente da Associação Portuguesa de Estudos da Mulher (2009-2014). Ela é membro do Conselho Editorial Internacional da Revista “Religião & Gênero” e membro do Conselho Editorial do Jornal da Sociedade Europeia de Mulheres em Pesquisa Teológica.

Compartilhe esse conteúdo nas mídias sociais
Protegido por miniOrange