Justiça Climática e Direitos Humanos: Maximu Ba Tiul - Guatemala - CIDSE
© CIDSE

Justiça climática e direitos humanos: Maximu Ba Tiul - Guatemala

© CIDSE

Enquanto os países lutam para mitigar os efeitos das mudanças climáticas, os esforços existentes, como o comércio de carbono e o desenvolvimento de projetos de infraestrutura energética 'limpa' em muitos países em desenvolvimento, provaram ser insuficientes e muitas vezes contraditórios aos padrões de direitos humanos. Como mitigar as mudanças climáticas sem gerar violações dos direitos humanos?

A mudança climática é talvez um dos desafios mais importantes em direitos humanos de nossa época, pois representa uma ameaça direta ao acesso à vida, saúde, alimentos, água potável e energia e será a causa do deslocamento de muitas comunidades, até países, ao redor do mundo. mundo. Como observa o Conselho de Direitos Humanos da ONU, “As mudanças climáticas representam uma ameaça imediata e de longo alcance para as pessoas e comunidades em todo o mundo e têm implicações adversas para o pleno gozo dos direitos humanos.”(1)

Embora a mudança climática afete a humanidade e o planeta como um todo, ela tem um impacto desproporcional em certos grupos ou comunidades, particularmente nos mais vulneráveis, apesar de serem os menos responsáveis ​​por causar as mudanças climáticas. Assim, quanto mais atrasos na mitigação da mudança climática, principalmente pelos principais países emissores, mais os custos de adaptação aos impactos aumentam, com maiores riscos de sofrer perdas e danos graves ou irreversíveis. No entanto, os esforços atuais para mitigar as mudanças climáticas, como o comércio de carbono, ou a pressão por projetos de infraestrutura de energia 'limpa' nos países em desenvolvimento têm sido um tanto problemáticos, muitas vezes tendo impactos diretos nas comunidades e nos ecossistemas.

Maximu Ba Tiul, representante do Conselho do Povo de Tezulutlán, na Guatemala, explica como um projeto de infraestrutura hidrelétrica - Santa Rita - em seu país desestabilizou tanto as comunidades que originalmente viviam lá como o ecossistema da região. e consentimento informado das populações potencialmente afetadas, ignorando, ao fazê-lo, os padrões internacionais de direitos humanos. Deslocamentos, intimidações e alguns episódios de violência também foram relatados pelas comunidades. Maximu Ba Tiul atribui esse comportamento à lógica por trás desses projetos, que, segundo ele, respondem a um imperativo de crescimento, e não à proteção do meio ambiente e à salvaguarda dos direitos das comunidades. "A deterioração do meio ambiente", ele diz, "deve-se à construção do conceito de desenvolvimento, um modelo econômico que nunca respeitou os direitos humanos. É o mercado contra as pessoas e a natureza."

A Guatemala não é o único exemplo. Essa é uma tendência comum em diferentes partes da América Latina, África e Ásia. Para enfrentar esses efeitos negativos, ele sugere que é preciso haver mecanismos simples e concretos capazes de garantir o respeito aos direitos humanos. Os Estados, os primeiros responsáveis ​​por salvaguardar os direitos de seus cidadãos, devem comprometer-se a fazer respeitar o respeito aos direitos humanos pelas empresas nacionais ou estrangeiras que trabalham em seu território e regular o uso, a exploração e as atividades de exploração dessas empresas. No caso de violação desses padrões ou regulamentos, os estados devem poder sancionar suas atividades.

Hoje, as comunidades da América Latina expressaram sua recusa a esse tipo de megaprojetos de infraestrutura e energia, que exacerbaram a pobreza, a fome, as doenças e, principalmente, a divisão das próprias comunidades, seu tecido social.

Esses serão elementos cruciais a serem abordados nas negociações climáticas da ONU em Paris, que devem refletir a consistência em termos de salvaguardas sociais e ambientais e a obrigação de respeitar os direitos humanos, aplicados a qualquer projeto de infraestrutura ou projeto de desenvolvimento de energia limpa em todas as etapas.

Saiba mais sobre o trabalho da CIDSE em Negócios e Direitos Humanos e Extrativos na América Latina aqui.

-

(1) Centro de Direito Ambiental Internacional (CIEL) e Care International. “Mudanças Climáticas: Enfrentando o maior desafio dos direitos humanos de nosso tempo” Fevereiro de 2015. Online. http://www.carefrance.org/ressources/themas/1/4566,CARE_and_CIEL_-_Climate_Change_and_.pdf 

 

 

Compartilhe esse conteúdo nas mídias sociais
Protegido por miniOrange