Nutrição de pessoas não é um negócio - CIDSE
CIDSE

Nutrição de pessoas não é um negócio

CIDSE

Relatório promovido por ocasião do Dia Mundial da Alimentação

Na ocasião do Dia Mundial da Alimentação, o CIDSE promove o relatório do Observatório do Direito à Alimentação e Nutrição, liderado pela sociedade civil 2015, “Nutrição Popular não é um negócio”, lançando luz sobre o controle que as empresas têm sobre os sistemas e políticas alimentares. O CIDSE refere-se a várias questões abordadas no relatório, que também se refletem em nosso trabalho sobre Empresas e Direitos Humanos e Just Food. A CIDSE também acompanha ativamente a questão da incorporação corporativa enquanto trabalha no G7 / G8 nova aliança para a segurança alimentar na África, bem como no Aliança Global pela Agricultura Inteligente em matéria de Clima.

O relatório reconhece que a "captura corporativa", o controle exercido pelas empresas, disparou. Particularmente presente desde que a crise da volatilidade dos preços dos alimentos abalou o mundo em 2007 / 08, essa realidade está colocando os direitos humanos em grande risco. Como demonstrado pelas diversas dificuldades que o mundo enfrentou nas últimas décadas, o atual modelo econômico é incapaz de garantir as condições para os governos nacionais cumprirem suas obrigações de direitos humanos.

Através de vários estudos de caso, o relatório mostra diferentes lados da captura corporativa. O trabalho do CIDSE ressoa bem com o caso de comunidades afetadas por mineração e deslocamento em Essakane, Burkina Faso. Este exemplo reflete nossa preocupação de como o Sul pode ser afetado drasticamente pela extração e comércio de recursos naturais usados ​​para produtos cotidianos vendidos no mundo todo.

Comunidades afetadas por mineração e deslocamento em Essakane, Burkina Faso
Como resultado das atividades em expansão do conglomerado de mineração canadense IAMGOLD na África Ocidental, as famílias 2,500 no norte de Burkina Faso foram deslocadas e reassentadas fora da área de mineração em 2009. Para apoiar os esforços das comunidades em exigir a proteção de seus direitos humanos e responsabilizar o Estado de Burkina Faso por suas obrigações em matéria de direitos humanos, a FIAN International e a FIAN Burkina Faso documentaram as perspectivas das mulheres sobre o impacto da mineração e deslocamento nos direitos das mulheres, bem como como no direito dos membros da comunidade à alimentação e nutrição adequadas e no acesso das crianças à nutrição. As conclusões demonstram a situação precária geral dos direitos humanos das mulheres em Essakane e seu impacto significativo no direito à alimentação e nutrição adequadas das crianças das comunidades. A situação dos direitos humanos das mulheres e crianças é agravada pela migração de longo prazo, e às vezes permanente, de homens adultos em busca de trabalho em outros locais de mineração.

Leia a Denunciar para saber mais sobre este e outros casos.

 

 

Compartilhe esse conteúdo nas mídias sociais
Protegido por miniOrange