Como conseguiremos que a UE apoie as regras vinculativas globais para as empresas e os direitos humanos? - CIDSE

Como convencemos a UE a apoiar regras vinculativas globais para empresas e direitos humanos?

Publicado originalmente na quarta-feira 17 junho 2015 por A Coligação Europeia para a Justiça das Empresas

No ano passado, todos os estados membros da 28 da UE tentaram vetar o desenvolvimento de um tratado da ONU que exigisse que as empresas respeitassem os direitos humanos em suas cadeias de suprimentos globais e garantissem que aqueles cujos direitos foram comprometidos tenham a oportunidade de apresentar desafios legais. Os direitos humanos não são voluntários para os estados membros da UE - então, como superamos essa oposição para torná-los obrigatórios para as empresas?

Este problema foi resolvido esta semana em uma reunião de café da manhã organizada no Parlamento Europeu por Richard Howitt, relator do Parlamento Europeu sobre Responsabilidade Social Corporativa, e coorganizado pela Coalizão Europeia de Justiça Corporativa, Amigos da Terra na Europa e CIDSE - a organização internacional guarda-chuva das organizações de desenvolvimento católico.

Vários eurodeputados conhecidos pelo seu envolvimento em questões de responsabilidade empresarial juntaram-se para debater como o Parlamento Europeu pode apoiar o processo das Nações Unidas - Judith Sargentini, dos Verdes, Barbara Lochbiler, dos Verdes, e Anne-Sophie Mineur, da Esquerda Unida / Esquerda Nórdica Verde, todos se juntaram a consultores de políticas e outros assistentes do Parlamento Europeu.

No Conselho de Direitos Humanos da ONU do ano passado, em Genebra, as rodas foram acionadas por um tratado internacional para garantir que as empresas transnacionais respeitassem os direitos humanos. Foi aprovada uma resolução da ONU para criar um grupo de trabalho intergovernamental aberto *, apesar da forte oposição dos países ocidentais.

Este ano, este grupo se reunirá pela primeira vez em julho do 6, com o objetivo de estabelecer as bases para tal tratado. Governos de todo o mundo terão que discutir o escopo do tratado, o tipo de direitos humanos que ele abordará e o tipo de empresa às quais um tratado se aplicaria.

Martin Drago, do Amigos da Terra no Uruguai, lembrou aos presentes na reunião o forte apoio a um tratado da sociedade civil nos países em desenvolvimento, onde atualmente existem muitos obstáculos para quem busca reparação legal por violações de direitos humanos nas empresas. Um tratado global também abordaria o desequilíbrio de poder criado pelos sistemas legais que permitem às empresas processar países.

Cinco anos após a adoção dos Princípios Orientadores da ONU sobre Empresas e Direitos Humanos, devemos avançar

Richard Howitt lembrou que o Princípios Orientadores das Nações Unidas sobre Empresas e os Direitos Humanos nunca substituíram padrões vinculativos a nível internacional. Eles são um importante passo adiante, mas cinco anos após sua adoção, é hora de avançar em sua implementação e iniciar uma nova fase que estabelece as bases para regras vinculativas internacionais.

Denise Auclair, CIDSE, acrescentou que a implementação desses Princípios Orientadores a nível nacional deve acompanhar o desenvolvimento de regras vinculativas internacionais. A ação individual apenas no nível nacional não pode abordar a questão da responsabilidade corporativa - que é uma questão global. Ela compartilhou preocupações de que não apenas a UE e a maioria dos governos estão obstruindo o processo, mas também estão evitando o debate público e político sobre o assunto.

As discussões levaram a sugestões de ações para garantir que a Comissão Europeia coloque essa questão na agenda. Foi proposto melhorar o vínculo com as atuais discussões comerciais, bem como fortalecer a mobilização em nível nacional para pressionar os Estados a se engajarem no processo. Os eurodeputados presentes comprometeram-se a promover internamente o processo do tratado ao Parlamento Europeu, dando mais visibilidade à questão.

Os participantes sugeriram que os eurodeputados participassem de sessões em Genebra e defendessem um tratado, mostrando que a Europa não é um bloco unificado. A França concordou em ingressar como observadora e a Suíça participará: não é tarde demais para outros países participarem da discussão.
A Aliança do Tratado, que reúne centenas de ONGs e movimentos sociais em todo o mundo, está organizando uma série de ações antes das negociações de julho. Você pode encontrar mais plítica de privacidade .

* O mandato deste grupo de trabalho é "elaborar um instrumento internacional juridicamente vinculativo para regular, no direito internacional dos direitos humanos, as atividades de empresas transnacionais e outras empresas".

Contato:
Stefan Reinhold
Assistente de Advocacia (Setor Privado, Minerais de Conflito, Advocacia da UE para a UE)
reinhold (at) cidse.org

Compartilhe esse conteúdo nas mídias sociais