Recuperando o controle dos sistemas alimentares - CIDSE

Recuperando o controle dos sistemas alimentares

O CIDSE realizou um workshop explorando sinergias com produtores de alimentos, movimentos sociais, organizações da sociedade civil e suas organizações membros

O workshop foi dedicado às estratégias de soberania alimentar para a democratização dos sistemas alimentares e foi realizado pela CIDSE em março passado (17-18 março). Pessoas de diferentes origens se reuniram para discutir três pilares que sustentam a soberania alimentar: o direito à terra, o acesso aos mercados e o direito às sementes.

Graças a um processo de compartilhamento e debate, foram identificadas oportunidades concretas de colaboração. A experiência trazida para a oficina pelos participantes; membros e parceiros da CIDSE, foi extremamente valioso e ajudou a resolver os problemas sob diferentes pontos de vista. Uma vez que a experiência compartilhada em cada tópico foi apresentada a partir de perspectivas locais / nacionais e também regionais / internacionais, isso levou a insights e oportunidades nos níveis local, nacional e internacional para processos no terreno e para advocacy.

Para cada área temática, após uma discussão em grupo, foram identificados alguns pontos para possíveis ações comuns; você pode lê-los no final do artigo.

Os participantes:
Entre os participantes, a CIDSE teve o prazer de dar as boas-vindas a Bruxelas representantes das seguintes organizações membros: Boederlijk Delen (Bélgica), Entraide et Fraternite ' (Bélgica), CCFD Terre Solidaire (França), Misereor (Alemanha), FOCSIV (Itália), Cordaid (Países Baixos), FEC (Portugal), Mãos unidas (Espanha), Fastenopfer (Suíça) e CAFOD (Reino Unido). Também essencial para o sucesso do intercâmbio foi a presença de vários parceiros e aliados nos níveis nacional e internacional. Entre as organizações regionais e internacionais presentes estavam: Urgenci, Via Campesina, FIMARC, Coalizão de Povos sobre Soberania Alimentar, INADES (África) e GRÃO. Parceiros do país incluídos Grupo semillas (Colômbia), RESDAG (Guatemala), Masipag e Sumpay (Filipinas), Papda (Haiti), Centro Humboldt (Nicarágua) e Jinukun-Copagen (Benin)

Direito à terra
A terra e os territórios formam a espinha dorsal das identidades das comunidades rurais e dos povos indígenas e são uma fonte de bem-estar. No entanto, a terra está sendo retirada das comunidades e concentrada em cada vez menos mãos, em um ritmo alarmante. Atualmente, estamos enfrentando uma nova onda de grilagem e concentração de terras em todo o mundo, não apenas no sul. As terras férteis são frequentemente convertidas para usos não agrícolas e plantações comerciais orientadas para a exportação que cultivam agrocombustíveis em vez de alimentos. O controle sobre a terra está sendo usurpado por pequenos produtores e suas famílias, com elites e poderes corporativos pressionando as pessoas para propriedades cada vez menores. Esses processos são facilitados por mudanças legislativas relacionadas às terras agrícolas e são frequentemente acompanhados de crescente militarização, violência contra camponeses e criminalização de movimentos sociais e defensores dos direitos à terra.

Uma apresentação do nosso membro Fastenopfer (FO) descreve a situação na República Democrática do Congo (RDC), onde as comunidades locais estão sendo privadas de suas terras para projetos de mineração sem compensação adequada, e onde muitos conflitos de terra ocorrem entre as comunidades locais e empresas; os conflitos de terra representam 70% de todos os casos nos tribunais na RDC. Uma questão fundamental é que a concepção legal da terra como propriedade está em conflito com os conceitos das comunidades locais. O status legal das terras da comunidade local não está claramente definido e os direitos de uso da terra não foram considerados desde 1973. As fronteiras das terras da comunidade local não foram definidas. As questões fundiárias foram, portanto, definidas pela Fastenopfer como um foco do país, e ações foram realizadas para acelerar a reforma agrária. A FO também se mobiliza em apoio a redes de solidariedade de agricultores e visa, por meio de suas atividades, fornecer informações e conscientização entre as organizações parceiras e as partes interessadas no projeto sobre questões fundiárias em relação à segurança alimentar, soberania alimentar e grilagem de terras.

Além desta apresentação, tivemos a oportunidade de ouvir Francis Ngang (da Inades), que destacou os desafios relacionados à terra que estão sendo enfrentados em nível nacional (Costa do Marfim), enquanto Hanny van Geel e Andrea Ferrante (da Via Campesina) enfatizar o contexto europeu e internacional. Além disso, Gisele Henriques (CAFOD) e Maureen Jorand (CCFD) compartilharam sua experiência relacionada ao desenvolvimento das diretrizes voluntárias sobre a posse da governança no Comitê de Segurança Alimentar Mundial.

Acesso a mercados
As empresas de alimentos têm assumido continuamente proporções maiores do sistema alimentar, com grandes implicações para toda a cadeia alimentar. Os preços dos alimentos são estabelecidos em relação aos preços dos mercados globais. Devido à mercantilização de alimentos, à alta dependência da agricultura industrial de combustíveis fósseis e ao recente boom na produção de agrocombustíveis, os mercados internacionais de alimentos estão enfrentando especulações e volatilidade de preços crescentes. Os mercados em desenvolvimento foram amplamente ignorados em favor de grandes empresas, enquanto o setor de pequenos produtores, que produz principalmente para o mercado doméstico, foi negligenciado.

Durante o workshop, um representante da GRAIN ilustrou alguns dos problemas relacionados ao aumento das grandes superfícies de distribuição na Ásia, o continente que tem sido o maior alvo dos varejistas multinacionais de alimentos. Os supermercados corporativos na Ásia estão crescendo mais rápido do que em qualquer outro lugar do mundo, e isso representa uma ameaça direta ao sustento das pessoas. Os grandes varejistas captam uma parcela cada vez maior dos gastos nacionais com alimentos, deixando os milhões de pessoas cujo sustento depende da venda de seus produtos em mercados de alimentos frescos e pequenas lojas de varejo, com menos receita geral. Os supermercados também desempenham um grande papel na mudança dos padrões de consumo de alimentos para mais carnes ou gorduras, laticínios e alimentos açucarados, principalmente de alimentos embalados. Os supermercados ou varejistas corporativos estão ganhando cada vez mais o controle da cadeia alimentar, da produção à distribuição e ao consumo, com enormes impactos culturais e na saúde. O atual sistema global de distribuição de alimentos é insustentável e ameaça pequenos agricultores, artesãos de alimentos caseiros, mercados de alimentos locais e consumidores. A preocupação com as cadeias de distribuição de alimentos ainda é relativamente pequena e ainda não é vista como uma prioridade na agenda da sociedade civil. GRAIN está pressionando pelo controle das pessoas sobre os alimentos e a agricultura na Ásia, um assunto que ainda não é considerado sério ou amplamente e, portanto, o primeiro passo a ser dado é aumentar a conscientização por meio de publicações e workshops.
Também tivemos a oportunidade de assistir a uma apresentação de Chito Medina (Masipag) sobre a construção de mercados para a soberania alimentar. Margarida Alvim (FEC) apresentou a experiência da FEC no desenvolvimento de projetos para melhorar o acesso aos mercados para os produtores locais em Portugal.

Direito às sementes
O controle das sementes leva ao controle dos agricultores e seus sistemas de produção, da terra e, finalmente, de todo o sistema alimentar. Por meio de métodos modernos de criação, juntamente com a privatização de sementes e leis restritivas de sementes que criminalizam a economia de sementes, as empresas agro-transnacionais rapidamente ganharam o controle monopolista da agricultura em nome da abordagem à insegurança alimentar global. Chegamos a uma situação alarmante em que o 75% dos nossos alimentos agora vem apenas de plantas do 12 e cinco espécies de animais. Sem a diversidade de sementes desenvolvida pelos sistemas agrícolas tradicionais ao longo de gerações, a agricultura em todo o planeta lutará para se adaptar às mudanças climáticas.

Um representante da ONG Grupo Semillas apresentou seu trabalho na Colômbia. O Grupo Semillas opera em um ambiente que tem visto uma perda progressiva de sementes, um reconhecimento cada vez menor do valor das práticas agrícolas tradicionais e uma degradação da qualidade de vida nas comunidades rurais. Eles se opõem à Convenção Internacional para a Proteção de Novas Variedades de Plantas que atribui direitos de propriedade às plantas e que impede os agricultores locais de usarem outras sementes não patenteadas e, portanto, limita sua independência. Entre suas atividades, o Grupo Semillas realizou ações de conscientização em torno do tema privatização de sementes, preservação de sementes indígenas e mais sobre biodiversidade. O Grupo Semillas trabalha principalmente com comunidades indígenas e pequenos agricultores e tem como objetivo fornecer-lhes conhecimentos teóricos e práticos e habilidades para viver de forma independente. Antes da apresentação Peter Ton (Cordaid) apresentou a questão das sementes em áreas frágeis e René Segbenou (Copagen) falou sobre a soberania das sementes.

Graças ao ambiente de compartilhamento criado nos dois dias de workshop, tivemos algumas discussões frutíferas e ao mesmo tempo aprendemos muitas lições para o futuro. Além disso, reconhecemos mais uma vez o importante papel que o CIDSE pode desempenhar na criação de um espaço onde diferentes partes interessadas possam se encontrar, entender as diferenças e limitações umas das outras, desenvolver uma compreensão compartilhada de oportunidades e desafios e explorar áreas de trabalho complementar para forjar campanhas comuns além relações financeiras tradicionais. Certamente, ao ouvir as experiências de primeira mão de parceiros que estão na vanguarda da resistência e trabalham no terreno para construir alternativas, este workshop permitiu-nos avançar no processo de mudança dos nossos métodos de trabalho na CIDSE e nos seus membros. organizações. Isso será alcançado, por exemplo, vinculando mais estreitamente nosso trabalho de defesa de direitos com os programas realizados no Sul, construindo laços e colaborações mais fortes com parceiros e aliados e estabelecendo relações fortes com movimentos sociais.
O workshop construiu laços sólidos entre nossos membros, nós na secretaria da CIDSE, e nossos parceiros e aliados. Saímos do workshop com uma melhor apreciação pelo trabalho um do outro. Também percebemos o grande potencial que existe para contribuirmos na construção de um movimento de mudança. Esperamos parcerias mais fortes e concretas no futuro próximo.

As fotos do workshop estão disponíveis no Flickr aqui.

 ***

Pontos de ação - Direito à terra:
• Criminalização: estabelecer um mecanismo para ação rápida necessária para proteger os ativistas dos direitos à terra que estão ameaçados
• Invista na construção de movimentos para construir poder social, a fim de confrontar grupos de interesse poderosos (disponibilizando fundos flexíveis para apoiar esse processo)
• Observe a necessidade de vincular o que está acontecendo no terreno com os processos internacionais e desenvolver estratégias comuns de advocacy em nível local, nacional e internacional
• Vincular os direitos humanos e de negócios ao investimento estrangeiro direto como uma maneira de sinergizar o trabalho de lobby tanto no norte quanto no sul
• Seguir um acordo / tratado internacional obrigatório que regula empresas multinacionais
• Observe a questão maior do conceito comum e indígena de Pachamama para desafiar as visões antropocêntricas da terra.
• Disseminar os resultados das negociações internacionais para as OSC locais (por exemplo, espaço democrático conquistado no CFS para uma melhor participação das OSC na discussão de políticas internacionais, VGGT)
• Vincular pessoas que não estão organizadas e não têm conhecimento de questões fundiárias com aquelas que estão cientes, a fim de expandir o movimento de ativistas dos direitos fundiários

Pontos de ação - Acesso aos mercados:
• Aproveitar as oportunidades para integrar milhões de vendedores ambulantes e de mercado fresco no movimento Soberania Alimentar e investir na construção de movimentos nesse setor
• Utilizar os impactos negativos significativos à saúde (diabete e obesidade) do sistema de distribuição de alimentos controlado pelas empresas para sensibilizar o público em geral
• Continuar a expandir a construção de mercados alternativos (agricultura apoiada pela comunidade, cintos de alimentos, agricultura urbana), facilitando os vínculos diretos entre produtores e consumidores e encurtando a cadeia alimentar
• Enfatizar a importância de se engajar / promover a diversificação, a fim de fortalecer a resiliência da renda dos agricultores e aumentar a participação das mulheres
• Enfatize a importância de organizar grupos de agricultores para permitir a comercialização em grupo
• Enfatizar a importância de se conectar com os governos locais para fortalecer os mercados locais, como parte da construção de massa crítica contra os sistemas de mercado controlados pelas empresas.
• Enfatizar a importância de um sistema de garantia participativa (se verdadeiramente controlado pelos agricultores)
• Desenvolver uma campanha global conectando as lutas do norte e do sul de resistência e criando alternativas, considerando a experiência compartilhada do monopólio do mercado corporativo (vinculando processos locais a nacionais e internacionais)
• Envolver os jovens
• Desafiar acordos de livre comércio bilaterais e multilaterais que fortaleçam o monopólio do mercado das grandes empresas
• Adote uma abordagem integrada: recuperando o controle das sementes e da tecnologia agrícola que reduz a dependência de insumos externos e libera os agricultores do endividamento que, por sua vez, fortalecem a capacidade dos agricultores de se envolver em marketing cooperativo

Pontos de ação - Direito às sementes:
• Vincular campanhas no norte e no sul que estão desafiando as patentes de sementes e as leis que criminalizam a economia e o intercâmbio de sementes, e desenvolvendo uma resistência crescente e bem-sucedida em nível nacional
• Prestar assistência legal e de lobby aos agricultores que são criminalizados por afirmar seus direitos de salvar e trocar sementes livremente
• Envolver-se em uma campanha coordenada desafiando os acordos de livre comércio que pressionam os governos do sul a adotar leis corporativas de sementes (UPOV 91)
• Promover a agroecologia
• Ampliar e vincular os esforços contínuos das organizações de agricultores para conservar raças terrestres (guardiões de sementes, bibliotecas, feiras e trocas de sementes)
• Ampliar zonas livres de transgênicos estabelecidas pelas comunidades locais junto com seus governos locais
• Trocar experiências dos agricultores e ampliar os empreendimentos na seleção, melhoria e melhoramento de sementes que atendam às diversas necessidades dos agricultores
• Expor e desafiar o uso de situações de emergência / crise para liberar / promover sementes GM
• Facilitar o intercâmbio de experiências entre agricultores asiáticos e latino-americanos com agricultores africanos sobre os efeitos negativos da Revolução Verde
• Realizar uma análise sólida do que resta após um desastre - para não danificar as iniciativas locais - com o objetivo de limitar a ajuda a sementes para emergências reais e associá-la aos esforços para regenerar imediatamente diversas sementes locais após uma situação de desastre ou crise
• Invista em avaliações de segurança do sistema de sementes e desenvolva sua resiliência contra choques

 

Compartilhe esse conteúdo nas mídias sociais
Protegido por miniOrange