Acordo climático deve respeitar os direitos humanos - CIDSE

Acordo climático deve respeitar os direitos humanos

Com as próximas negociações internacionais sobre a adoção de um novo acordo que deverá substituir o Protocolo de Kyoto a partir do 2020, o 2015 marca um momento crucial para o clima. Com o marco das novas metas sustentáveis ​​em mente, aumenta a necessidade de proteger os direitos humanos nas ações climáticas.

Por ocasião do evento “Uma abordagem baseada nos direitos humanos para a ação climática”, organizado por Observação do mercado de carbono com CIDSE, Human Rights Watch e o Conselho do Povo de Tezulutlán no Parlamento Europeu em 23 de março, foram discutidas as relações entre mudanças climáticas e direitos humanos e o tema da prestação de contas do financiamento climático.

O evento se baseou no Geneva Pledge, uma iniciativa que visa destacar a conexão entre direitos humanos e mudanças climáticas, lançada em fevereiro de 2015 nas negociações da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima (UNFCCC). “Nós, abaixo-assinados, observamos que os impactos relacionados às mudanças climáticas têm uma série de implicações, diretas e indiretas, para o gozo efetivo dos direitos humanos, e reconhecemos que, embora essas implicações afetem indivíduos e comunidades ao redor do mundo, os efeitos das mudanças climáticas serão sentidos com maior agilidade pelos segmentos da população que já estão em situações vulneráveis ​​devido a fatores como geografia, pobreza, gênero, idade, status indígena ou minoritário e deficiência.”Afirma o compromisso, assinado até agora por 18 países (da Europa apenas a França, Irlanda e Suécia assinaram o compromisso).

Eva Filzmoser, Diretora do Carbon Market Watch, destacou que nas negociações atuais sobre mudanças climáticas o aspecto dos direitos humanos não está suficientemente integrado e que as ações de mitigação das mudanças climáticas também podem ter impactos adversos sobre os direitos humanos. Esta questão surge em vários projetos realizados no âmbito do Mecanismo de Desenvolvimento Limpo da ONU (definido pelo protocolo de Kyoto), como o caso Barro Blanco no Panamá ou a planejada Usina Hidrelétrica Santa Rita no Rio Dolores na Guatemala, financiada por vários bancos de desenvolvimento europeus e pela International Finance Corporation (IFC) do Banco Mundial.

Representando o Conselho do Povo de Tezulutlán, Maximu Ba Tiul compartilhou experiências relacionadas a este projeto e falou sobre as duras repercussões na comunidade maia local. A barragem vai de fato deslocar milhares de pessoas para gerar 25 MW de energia, a maioria para exportação para os países vizinhos. O conselho também diz que uma avaliação de impacto ambiental da barragem sugere que inundaria as comunidades locais e as privaria de acesso a água, comida, transporte e recreação. Considerando que, de acordo com a constituição, o governo da Guatemala deve respeitar os valores tradicionais dos indígenas e consultá-los na tomada de decisões que afetem seu desenvolvimento econômico ou social, o Conselho alega que o projeto de Santa Rita foi planejado sem consultas, o que também seria necessário pelo Mecanismo de Desenvolvimento Limpo. O projeto de Santa Rita gerou protestos das comunidades indígenas maias, que segundo o Conselho foram reprimidas com violência e perpetrando diversos abusos aos direitos humanos. As ações violentas sofridas pelas comunidades locais incluíram ameaças da polícia, sequestros, despejos, queima de casas, ataques de homens empunhando facões e armas e a prisão de opositores do projeto. O projeto, que também foi financiado por bancos europeus, levantou questões em torno da necessidade de transparência no financiamento do clima.

Como destacou Meera Ghani, o financiamento climático precisa garantir que os países em desenvolvimento tenham os recursos e a capacidade de desenvolver caminhos de baixo carbono, mas é essencial ser transparente sobre de onde vêm os recursos e quais projetos são financiados.

A conferência, com todas as intervenções dos palestrantes, pode ser assistida novamente plítica de privacidade .

Um relatório completo da conferência, incluindo os pontos levantados por todos os palestrantes do painel, está disponível no site da Carbon Market Watch plítica de privacidade .

O CIDSE filmou uma entrevista com Maximu Ba Tiul sobre a experiência da comunidade maia Q'eqchies em relação à barragem de Santa Rita, você pode assistir aqui:

Compartilhe esse conteúdo nas mídias sociais